“Acho que se meu pai tivesse podido encontrar um psiquiatra de sua comunidade que compreendesse os elementos que o bloqueavam com relação à sua educação no Haiti, isso teria ajudado muito”, disse Guedwig Bernier durante as “Conversas quebequenses sobre o racismo”, realizadas nos os últimos dias 8 e 9 de dezembro pela Cúpula socioeconômica dos jovens de comunidades negras – Sommet Socioéconomique des Jeunes des Communautés Noires (SdesJ).

O pai do presidente do partido Projeto Montreal, que sofria de bipolaridade, faleceu há cinco anos, depois de ter procurado em vão durante 25 anos por soluções para resolver sua condição. A falta de profissionais de saúde mental nas comunidades culturais é gritante, chocante mesmo.

A Dra. Myrna Lashley, psicóloga de raça negra e professora na universidade McGill, foi a única, ao longo de muitos anos, a se interessar da saúde mental de sua comunidade em Montreal.

“Chegou num ponto que ficou muito pesado pra mim”, confiou a psicóloga, em entrevista ao jornal, assinalando que o problema é maior e muito comum. Além disso, ela evidencia que seus colegas brancos nem sempre têm uma “aproximação” diante de pessoas de cores de pele diferentes, com uma bagagem cultural distinta da deles.

“Eles veem todas as situações com olhos de uma pessoa branca e eles pensam que todo mundo é dessa forma”. – Dra. Myrna Lashley

“Eles não compreendem os traumas que as pessoas que vêm de fora (imigrantes) e os que têm a escravidão como herança viveram”, acrescenta a professora Lashley.

Assim mesmo, depois de quase vinte anos, McGill insere em seu plano de curso noções e abordagens focadas nas comunidades culturais para seus estudantes de psicologia. A Dra. Lashley contribui com isso graças à sua sólida experiência com pessoas não brancas.

Há falta de profissionais negros não apenas nos empregos. Eles também têm pouca participação na área de pesquisa, fato lamentado pela Associação Canadense para a Saúde Mental – filial do Quebec.

“Eu me sinto tão tocada pela ausência de pessoas não-brancas na área de pesquisa”, confia Karen Hetherington, presidente da associação— “é triste ver como o sistema não dá possibilidade de participação às pessoas”.

Hetherington, que se referiu à situação como “uma questão de direitos humanos”, também lamentou a presença de falhas de promoção e prevenção nas comunidades etnoculturais.

A saúde mental é um estado de bem-estar no qual o indivíduo percebe seu próprio potencial diante de situações normais da vida, bem como o estresse que elas geram.

“Como vivemos em uma situação de racismo sistêmico, é impossível que não exista problema de saúde mental”, elucida a psicóloga Lashley.

Se a situação é mal administrada, isso pode levar a doenças mentais como a depressão, a esquizofrenia, entre outras.

Para a psiquiatra em residência, Karole Gouvon, alguns traumas estão intimamente ligados à imigração. Ela praticamente conecta a saúde mental a uma dada sociedade ou a uma cultura em particular. Gouvon cita com frequência “Crazy like us” (Louco como nós, numa tradução livre, já que não há versões em português), um livro que demonstra de que forma a doença mental evolui em razão da influência ocidental ou do modelo social.

“Sabemos que quando temos um paciente que imigrou recentemente, ele é mais vulnerável e está mais propenso a não estar bem” – Karole Gauvon, psiquiatra em residência.

A COVID-19 e as mentes não-brancas

Vários estudos podem demonstrar a ligação entre uma degradação de saúde mental e a doença do Coronavirus. O Dr. Prévost Jeantchou, do hospital Sainte-Justine, realizou uma pesquisa com uma coorte que ele acompanhou desde a primeira onda de Covid-19 até recentemente.

Os problemas com ansiedade e depressão parecem ter se agravado.

  • Pessoas ansiosas: de 23 a 30%
  • Depressivos: de 27 a 33%
  • O estudo revela que o consumo de substâncias teve um aumento de 2,7% e que a dependência por meios de comunicação contribuiu muito para a sensação de ansiedade.
  • O índice de psicose está 60% maior entre os segmentos da população negra em comparação com a população em geral, segundo estudo da Secretaria contra o Racismo.
  • No total, 83% dos 1,2 milhões de negros alegam terem sido tratados com injustiça mais de uma vez.

“Enquanto você arrisca a própria vida para salvar a sociedade, esta última não nos vê como parte integrante… É muito duro viver assim”, assinala a Dra. Lashley.

Associado a isso encontram-se problemas cardiovasculares, de vícios, obesidade, entre outros. Lashley esperava que com o movimento Vidas negras importam, de vento em popadesde o assassinato ao vivo de George Floyd, pelas mãos de um policial branco, a tensão iria diminuir para as pessoas não-brancas.

Mas o problema, diz ela, é “intergeracional” no sentido de haver uma percepção do sernegro que se transmite de geração em geração entre os brancos. Ela propõe uma educação aos jovens negros sobre como viver nessa sociedade e “como reagir diante da polícia”.

Lashley diz: “se você compra um pacote de goma de mascar é preciso guardar o recibo até que você deixe o local onde ele foi comprado, mas quando você é branco não é necessário ter de ensinar isso para a criança”.


Traduzido do francês por Suélen Martins Meleu / Revisado por Elisa Dias da Silva

O artigo original pode ser visto aquí