Educação não sexista: do que estamos falando?

26.12.2020 - Santiago, Chile - Marcelo Trivelli

This post is also available in: Espanhol

Educação não sexista: do que estamos falando?

O ano escolar está chegando ao fim, provavelmente, o mais difícil da nossa história recente. Difícil em vários aspectos: no processo ensino-aprendizagem, no desenvolvimento socioemocional e nas relações interpessoais. Para os alunos que estão concluindo o último ano do ensino médio, este ano foi particularmente difícil porque não tiveram a oportunidade de consolidar suas amizades que, muitas vezes, duram uma vida inteira.

Algumas instituições de ensino, aplicando todos os protocolos sanitários, deram aos alunos que concluíram o ensino médio a oportunidade de receber o diploma junto com o reconhecimento acadêmico e social que a graduação do colégio representa. Mas, também houve instituições que não abriram mão dos seus equivocados valores sexistas e não permitiram que seus estudantes se graduassem. Em La Serena ― capital da região de Coquimbo, Chile ―, um jovem não pôde se graduar por causa do seu corte de cabelo.

O cabelo, ou o estilo de usá-lo, é uma das expressões corporais que mais sustentam os estereótipos de gênero: comprido para as mulheres, curto para os homens. Qualquer outro corte ou estilo é interpretado como um “desvio” do padrão. Uma das condutas sexistas mais destacadas na educação é o controle do corte de cabelo por parte dos Regulamentos Internos das instituições de ensino. A outra conduta que disputa o título pela supremacia na conduta sexista é o uniforme diferenciado entre homens e mulheres.

Aqueles que defendem a aplicação de normas para que a apresentação das/dos estudantes seja uniforme e regular, mas que rejeitam esse fato como conduta sexista, não percebem que tais situações representam somente a ponta do iceberg. Quando será que conseguirão enxergar que o outro lado da moeda de educar homens fortes para serem provedores e enfrentarem um mundo adverso é, justamente, ter menos preocupação pelas mulheres, que devem realizar “trabalhos menores” associados aos cuidados das crianças e da casa?

Entretanto, a educação sexista é parte também da nossa institucionalidade. A Superintendência da Educação observa que: “Cada instituição, junto à sua comunidade, pode estabelecer o uso obrigatório do uniforme e controlar a apresentação pessoal dos estudantes nos seus próprios Regulamentos Internos, para que sejam consistentes com os seus respectivos projetos educacionais”.

Nesse caso, cabe a pergunta: até onde pode chegar essa regulação? A resposta se enquadra na Lei: “No entanto, essas disposições nunca poderão implicar uma discriminação arbitrária que possa vir a afetar a dignidade dos estudantes ou excluí-los das atividades escolares por não cumprirem com as exigências estabelecidas para a apresentação pessoal”. Ou seja, serão as/os estudantes, suas famílias e aqueles que colaborem com os projetos educacionais, como a Fundação Semilla, os que devem abrir os olhos, através dos meios que cada um tenha ao seu alcance, para que a sociedade se conscientize de que uma educação sexista é prejudicial tanto para homens como para mulheres, mas que, principalmente, é prejudicial à sociedade como um todo.

A educação não sexista começa a desenvolver um novo olhar, ao possibilitar o reconhecimento de pequenas ações que marcam homens e mulheres para sempre. Por isso, sempre é válido perguntar: quando falamos de educação não sexista, do que estamos falando?


Traduzido do espanhol por Graca Pinheiro / Revisado por José Luiz Corrêa

Categorias: Ámérica do Sul, Educação, Opinião
Tags:

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Search

Whatsapp

Pressenza Whatsapp

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.