Slavoj Žižek: A mensagem de Julian Assange

09.10.2020 - São Paulo, Brasil - Redação São Paulo

Slavoj  Žižek: A mensagem de Julian Assange

Por Slavoj Žižek/Blog da Boitempo

“Assange não pode morrer – mesmo que morra (ou desapareça em uma cela de prisão dos Estados Unidos), essa agonia será seu triunfo, ele morrerá para viver em todos nós. Esta é a mensagem que todos nós devemos transmitir àqueles que estão o detendo: se você matar um homem, você cria um mito que continuará a mobilizar milhares de pessoas.”

 

Há uma velha piada, da época da Primeira Guerra Mundial, sobre uma troca de telegramas entre o quartel-general do exército alemão e o austro-húngaro. De Berlim a Viena, a mensagem enviada é a seguinte: “A situação nesta parte do front é grave, mas não é catastrófica”. E a resposta de Viena é: “Aqui da nossa parte, a situação é catastrófica, mas não é grave.” Essa resposta parece oferecer um modelo de como tendemos a reagir às crises hoje, da pandemia de covid-19 aos incêndios florestais (não apenas) no oeste dos EUA e no Brasil: sim, sabemos que há uma catástrofe iminente, a mídia nos avisa disso o tempo todo, mas de alguma forma não estamos dispostos a levar a situação verdadeiramente tão a sério…

Um caso semelhante vem se arrastando por anos: o destino de Julian Assange. Trata-se de uma catástrofe jurídica e moral. Basta lembrar de como ele é tratado na prisão: proibido de ver seus filhos e a mãe deles, impedido de se comunicar regularmente com seus advogados e preparar sua defesa e sujeito a uma situação de tortura psicológica de forma que sua própria sobrevivência se encontra ameaçada. Eles estão, sem dúvida nenhuma, matando-o suavemente, como diz a canção. Mas pouquíssimas pessoas parecem estar levando a sério essa situação, cientes de que é o nosso próprio destino está em jogo no caso de Assange. As forças que violam seus direitos são as mesmas que impedem o combate efetivo contra o aquecimento global e a pandemia. É por conta delas que a pandemia enriquece ainda mais os ricos e golpeia mais duramente os mais pobres. São as forças que exploram a pandemia de maneira implacável a fim de reforçar seu controle sobre nosso espaço social e digital, regulando e censurando-o às nossas custas – as forças que nos protegem, mas inclusive da nossa própria liberdade.

Assange lutou pela transparência pública do espaço digital, e há uma ironia cruel no fato de que agora a pandemia é usada como pretexto para isolá-lo de sua família e de seus advogados. Há uma enorme disposição de se criticar as restrições às liberdades humanas básicas impostas pela China a Hong Kong – não seria o caso de voltar o olhar a nós mesmos? Hoje vale retomar o velho ditado formulado por Max Horkheimer no final dos anos 1930: “Quem não estiver disposto a falar criticamente sobre o capitalismo deve também se calar sobre o fascismo.” Nossa versão dele agora deveria ser: quem não quiser falar sobre a injustiça cometida contra Assange deve também se calar sobre as violações de direitos humanos em Hong Kong e na Bielorrússia.

O bem planejado e bem executado assassinato de reputação de Assange é uma das razões pelas quais sua defesa nunca cresceu em um movimento amplo como o Black Lives Matter ou o Extinction Rebellion. Agora que a própria sobrevivência de Assange está em jogo, apenas um movimento desses pode (talvez) salvá-lo. Lembremos da letra (escrita por Joan Baez para a música de Ennio Morricone) de “Here’s to you”, a canção principal do filme Sacco e Vanzetti (1971): “Here’s to you, Nicola and Bart / Rest forever here in our hearts / The last and final moment is yours / That agony is your triumph” [Um brinde a vocês, Nicola e Bart / Descansem para sempre aqui em nossos corações / O último e derradeiro momento é de vocês / Essa agonia é seu triunfo]

Houve manifestações em todo o mundo em defesa de Sacco e Vanzetti – e o mesmo é necessário agora em defesa de Assange, embora em uma forma diferente. Assange não pode morrer – mesmo que morra (ou desapareça em uma cela de prisão dos Estados Unidos como um morto-vivo), essa agonia será seu triunfo, ele morrerá para viver em todos nós. Esta é a mensagem que todos nós devemos transmitir àqueles que estão o detendo: se você matar um homem, você cria um mito que continuará a mobilizar milhares de pessoas.

A mensagem que aqueles que estão atrás de Assange estão nos transmitindo é clara: “tudo é permitido (para nós)”. Por que apenas para eles? O que eles estão fazendo com Assange está mudando radicalmente o clima político. Talvez precisemos então de novos Weathermen.

Categorias: Cultura e Mídia, Direitos Humanos, Internacional, Opinião
Tags: ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort