Honduras “de calças curtas” diante do EPU

21.10.2020 - Manágua, Nicaragua - Giorgio Trucchi

This post is also available in: Espanhol, Italiano

Honduras “de calças curtas” diante do EPU

Neste 13 de outubro, 117 organizações defensoras de direitos humanos participaram da 36ª Pré-Sessão do Conselho de Direitos Humanos (CDH) das Nações Unidas, em que apresentaram uma Declaração de Informe Alternativo para o Exame Periódico Universal (EPU) a que será submetido o Estado de Honduras no próximo dia 6 de novembro.

Na declaração, as organizações apresentaram um cenário marcado pela desigualdade social, pela corrupção, pelo aumento de casos de tortura e dos níveis de militarização no país.

Também destacaram os casos crescentes de violação de direitos humanos de grupos vulneráveis, incluindo direitos da infância; das mulheres; de populações indígenas e do campo; de imigrantes; de pessoas LGBTI e de defensores e defensoras da terra e dos bens comuns.

Atualmente Honduras é o país mais desigual da América Latina, com quase 70% da população afundada na pobreza e mais de 40% na pobreza extrema.

Além disso, as organizações ressaltaram que trata-se de um dos países mais perigosos para defensores de direitos humanos. A aprovação recente de um novo código penal aprofunda a criminalização desses defensores.

As organizações alertam que mais de 140 defensores e defensoras de bens comuns foram assassinadas entre 2010 e 2019. Também foram documentados pelo menos 2.137 ataques entre 2016 e 2017.

O desaparecimento forçado de cinco líderes da comunidade garífuna de Triunfo de la Cruz, a criminalização e a prisão dos defensoras da água de Guapinol2 e do jovem professor Rommel Herrera Portillo, bem como os ataques contra os povos Garífuna, Lenca e Tolupán e o despejo de famílias camponesas que reivindicam o acesso à terra são o exemplo perfeito da crise de direitos humanos vivida pelo país.

Mais dramática ainda é a situação da violência contra as mulheres, os jornalistas e a comunidade LGBTI.

Um total de 6.265 mulheres foram assassinadas entre 2001 e 2018, enquanto 360 pessoas LGBTI perderam a vida de forma violenta na última década e 86 jornalistas e comunicadores foram assassinados desde 2001.

Impunidade quase total

A impunidade alcança um patamar acima de 90% em todos esses casos. Um dos resultados dessa situação foram os deslocamentos internos de pelo menos 250 mil pessoas entre 2004 e 2018 e a crescente migração para os Estados Unidos para fugir da violência, da miséria e da falta de oportunidades.

No último EPU (2015), foram formuladas mais de 150 recomendações ao Estado hondurenho.

“O EPU é uma oportunidade que nós, das organizações de direitos humanos, temos para apresentar ao mundo a grave situação vivida pelo povo hondurenho.

É inexplicável que a representação oficial chegue a esta data mentindo, mais uma vez, sobre a implementação das recomendações”, disse Bertha Oliva, coordenadora do Comitê de Familiares de Presos Desaparecidos em Honduras (Cofadeh).

“O contexto é dramático e essas pessoas são especialistas em vender internacionalmente uma imagem de país que não existe na realidade. Se houve avanços, foram a favor da barbárie. Apenas no período da pandemia, contabilizamos 12 desaparecimentos forçados”, explicou.

“Além disso, os altíssimos níveis de militarização na sociedade e na segurança pública nos preocupam. Inclusive, vemos acusados civis que são processados e detidos em unidades militares (batalhões)”.

A defensora de direitos humanos afirmou que existe uma perversidade por trás da situação.

“O afã deste governo é destruir o movimento que resiste e luta contra a conspiração dos poderes político, econômico, judicial e militar para garantir os interesses do grande capital nacional e transnacional. Há uma série de recomendações descumpridas e ignoradas pelo Estado de Honduras.

O EPU será um palco importante para voltar a exigir mudanças estruturais em questões de direitos humanos”, concluiu.


Traduzido do espanhol por Mariana Branco

Categorias: América Central, Direitos Humanos
Tags: , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort