Viva Lagoinha: iniciativa requalifica bairro histórico e reduto boêmio em BH

19.07.2020 - Belo Horizonte, Brasil - Michele Campos

Viva Lagoinha: iniciativa requalifica bairro histórico e reduto boêmio em BH
TERRITÓRIOS

 

 

Berço da cultura e da história local, de origem multicultural, repleto de riquezas arquitetônicas, antigo reduto da boemia, inspiração para artistas, frequentado por personagens fascinantes – são diversas as peculiaridades do bairro Lagoinha, na região Noroeste de Belo Horizonte. Para falar sobre o icônico bairro, a Pressenza ouviu o publicitário Filipe Thales, idealizador do Viva Lagoinha, uma iniciativa que conecta pessoas que acreditam na requalificação do território por meio da economia criativa.

– Como e porquê teve início o projeto o Viva Lagoinha? Quando se deu o seu “encantamento” pelo bairro? Qual o potencial e a importância histórica, artística e cultural da Lagoinha para a cidade?

– O Viva Lagoinha é o reflexo da inquietação de um jovem que faz o possível para viver em lugares que são ideais para tudo que acredita. O projeto surge à partir da minha vivência no bairro, que é o berço da cidade de Belo Horizonte. As pedras que construíram a capital saíram da Pedreira Prado Lopes e da Rua Itapecerica, que em tupi-guarani “Ita” é pedra e “cerica”, que rola. A primeira encruzilhada de BH se dá na Avenida do Contorno com Rua Itapecerica, uma das principais vias, de grande importância histórica e cultural.

Quando eu anunciei pra minha mãe, em 2007, que iria morar na Lagoinha,  consegui entender o que é ser um morador do bairro. Ela colocou a mão na cabeça e disse: “Filipe está inventando moda de novo, vai morar na zona”. Hoje ela mora na rua Itapecerica, e se você a perguntar se quer mudar daqui, a resposta é não. Quem vem à Lagoinha sabe que não é nada disso que a mídia que colocou.

O meu encantamento se dá primeiramente pelas pessoas e depois vou me aprofundar na história do bairro, em como eu posso me colocar à disposição para apenas morar em um lugar legal.

Lagoinha. Foto Rolezinho

– A Lagoinha  já foi reduto da boemia nos anos 60, e há alguns anos vem sendo estigmatizada pela violência e criminalidade. Como projetos como o Viva Lagoinha podem colaborar para mudar essa percepção sobre o bairro?

– Por ser um lugar que recebeu negros da região central de Minas Gerais, italianos, alemães, portugueses, sírios, que vieram para construção da cidade, a Lagoinha se torna esse lugar mágico. Aqui surgem as primeiras manifestações culturais coletivas – o primeiro bloco de carnaval, a primeira escola de samba, a primeira banda de sopro… É justamente por isso, por esse cruzo de culturas e pessoas do mundo inteiro, que ela se transforma num reduto da boemia nos anos 60.

O estigma da violência se dá por conta de um processo que a Lagoinha sofreu, que é o progresso. Estamos no centro da cidade, e obras feitas pelo poder público como o alargamento de vias e construção de viadutos, arrancam lugares de socialização, como a Praça Vaz de Melo, com seus primeiros comerciantes. De lá que surge, por exemplo, o copo “Lagoinha”, este copo americano de 190 ml, que hoje é considerado o melhor para se beber cerveja no mundo inteiro.

Nós colaboramos para mudar essa perceção à partir do momento que oferecemos uma vivência chamada “Rolezin Lagoinha”. É uma caminhada de 12 km, para apresentar a história da cidade à partir do olhar de um morador. As pessoas provam da nossa comida, visitam patrimônios, além de locais jamais imaginados como o IAPI (conjunto habitacional de 1940), e a Ocupação Pátria Livre, na pedreira Prado Lopes (mais antiga favela de BH), terreiros de umbanda, antiquários, hortas comunitárias e bistrôs, e a vista maravilhosa do Mirante Lagoinha.

É de coração pra coração que os nossos projetos colaboram para mudar essa percepção negativa do bairro.

Lagoinha. Foto Rolezinho

– Como tem acontecido a requalificação da Lagoinha? Como a economia criativa pode impactar a vida os moradores locais, em sua maioria idosos?  Como os moradores têm recebido e se envolvido com o projeto?

– A requalificação da Lagoinha é um conceito utilizado pelo projeto, e o nosso objetivo é colocar uma lupa em cada um dos pontos do território para trazer a sociabilidade de novo para a rua. Acreditamos que lugar seguro é com gente na rua. Temos três problemáticas estruturais no local, que tentamos mitigar com processos urbanísticos. A grande referência pra nós é a Acupuntura Urbana, do arquiteto Jaime Lerner, que é basicamente você aplicar em lugares menores políticas urbanísticas para resolver os problemas.

A Rua Itapecerica já chegou a ser a segunda rua mais movimentada em termos de comércio de BH, com 25 antiquários, e hoje só tem 7. Nosso principal projeto é a requalificação da rua Itapecerica, com o fortalecimentos dos antiquários. A Rua Diamantina, onde está o mirante, é um lugar de contemplação. A praça principal do IAPI é lugar de sociabilização. O Mercado Popular da Lagoinha voltar a ser mercado, pois as pessoas ainda se lembram da Lagoinha antiga, de ir comprar frutas, verduras.

Como a maioria das pessoas são idosas, a questão das calçadas, da acessibilidade, está no cerne do projeto. Além disso, o Viva Lagoinha impacta diretamente a problemática do alto índice de  pessoas em situação de rua. Nós propomos uma política que trabalhe as sucatarias no território para centros de triagem apropriados, que valorizem o serviço dos catadores. Conseguimos também provocar o poder público a olhar, com certa urgência, para os usuários de crack, com políticas de redução de danos e acolhimento. Tudo isso é de dentro pra fora, os moradores é que propõem isso.

Foto Rolezinho. Escola

– Quais os impactos da pandemia do coronavírus no local? Como o Viva Lagoinha tem sobrevivido neste momento? O que tem te salvado durante o isolamento social?

– O que tem nos salvado durante o isolamento social são as lives, os bate papos, é manter viva essa conexão com o vizinho, mas ao mesmo tempo é um momento de reflexão. Vivíamos um crescimento, com a atração de grandes eventos pro território. Tivemos sim um prejuízo, porque estávamos retomando a credibilidade do morador para projetos de longo prazo.

No ano passado realizamos o Circuito Urbano de arte – edição Lagoinha – e o povo amou. Depois veio o carnaval, com  movimentações desde novembro com o inauguração do Projeto Giro, uma casa de shows, e  foi fantástico! Aí engatamos um palco oficial do carnaval na Rua Itapecerica. Você vê moradores de 60, 80 anos dizendo que nunca viram aquilo, que estavam felizes, é surpreendente. Fora o carnaval de rua que nós promovemos, como a abertura oficial do evento com o Bloco Afro Magia Negra, e o Babadan Banda de Rua, e o fechamento na quarta-feira de cinzas no bairro vizinho, o Concórdia.

Num primeiro momento da pandemia fizemos campanha nos comércios, para que os idosos ficassem em casa, mas agora está bem controlado. Esse momento pro Viva Lagoinha tem sido de planejamento e de repensar nossas ações para este ano, que eram muitas, de festival de jazz a circuito gastronômico,  tudo na rua…

O recado final é esse: se puder fique em casa, mas depois da pandemia vem para a Lagoinha!

Instagram e Facebook : @vivalagoinha/

Categorias: Ámérica do Sul, Cultura e Mídia
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort