A cortina de fumaça do campo de Moria. Ensaio fotográfico

23.06.2020 - São Paulo, Brasil - Mídia NINJA

A cortina de fumaça do campo de Moria. Ensaio fotográfico
(Crédito da Imagem: Fellipe Lopes)

Texto e fotos por Fellipe Lopes

Fui ao campo de refugiados de Moria entre 28/12/2019 e 01/01/2020 para documentar a situação e as condições em que mais de 20.000 pessoas estão vivendo. Existem vários casos de pessoas e famílias que esperam mais de dois anos para alguma resposta sobre uma mudança para um país europeu.

Acredito que o campo de refugiados de Mória é uma forte indicação da direção que nossa sociedade está seguindo, um lugar onde sonhos, desejos, culturas e histórias não são mais respeitados e são esmagados pela negligência de nossas autoridades.

Quando cheguei em Mória, a falta de presença do poder público, a quantidade de lixo que se acumula no acampamento, os banheiros sem higiene e a quantidade de fumaça que toma conta do ar na câmera, criada por pequenas fogueiras, é muito grande. visível. Isso cria o ambiente perfeito para um cenário pós-guerra. As pessoas às vezes dividiam tendas com oito pessoas, duas ou três famílias reunidas, e outras pessoas fazem pequenos barracos com madeira e lonas que encontram nos arredores do acampamento ou na vila.

Do ponto de vista de um fotógrafo, uma das coisas que chamou minha atenção é a falta de contato visual entre as pessoas. Talvez isso se deva à quantidade de trauma que essas famílias carregam em suas vidas pessoais e também talvez para não correr o risco de criar problemas com outras famílias ou desacordos no campo. Toda vez que eu tive contato visual com as pessoas que moram em Moria, foi bem-sucedido. Sempre recebi um olhar amoroso, respeitoso e curioso para mim. Aprender a expressão ” salamu alaykum ” ‘abriu várias portas para eu conhecer famílias e desenvolver meu trabalho. Compartilhar que eu estava procurando aprender mais sobre a cultura deles e fazer perguntas sobre eles criou um espaço onde eu poderia trabalhar e estar muito perto deles.

Infelizmente, essas pessoas carregam na bagagem de sua vida o trauma da guerra. A maioria das famílias deixou tudo para trás e fugiu para a Europa em busca de abrigo e um lugar seguro para ir com seus entes queridos. É incompreensível acreditar que essas famílias estejam compartilhando um espaço que foi criado para quatro mil pessoas, mas naquele momento mais de 20 mil pessoas moram lá. É inaceitável acreditar que essas famílias não sabem quando serão realocadas para outros países europeus e que precisam esperar, dia após dia, por uma decisão da União Europeia. É vergonhoso que o sistema simplesmente não funcione, que essas famílias não tenham alternativas.

Moria vive um cenário traumático em todos os sentidos; social, estrutural, saúde mental e serviços básicos, como saúde, alimentação, moradia e educação.

Depois de quase duas semanas conversando com as famílias e compartilhando várias xícaras de chá, o que vi dentro das tendas e acomodações era puro amor. Amor entre os membros das famílias que conheci, respeito e apoio a cada um deles. Eu não acredito que eles seriam capazes de continuar seguindo se não houver amor entre eles e o amor que eu pude ver, sentir e receber de diferentes famílias e pessoas ao redor do acampamento. Este elemento mantém as pessoas e as famílias unidas, alimentando os segundos de esperança e bons momentos em que vivem no campo. Este elemento não pode ser roubado por nenhuma autoridade ou sistema público.

Explicação sobre Moria

O campo de refugiados de Moria, na ilha grega de Lesbos, acolhe pessoas vindo da Syria, Iraque, Afeganistão e uma porcentagem da Continente africano, Nigéria, Somália, Sudan, Ethiopia e Gana. As pessoas que estão vindo da Syria, Iraque e Afeganistão tem que passar pela Turquia, tendo que pagar coyotes e smugglers no caminho, uma vez que eles chegam na costa norte da Turquia eles pegam um bote numa perigosa travessia para a ilha de Lesvos na Grécia, esse trajeto comparado ao Mediterrâneo mata menos pessoas, mas não deixa de ser perigoso. Diversos barcos ficam pelo caminho. Aos que chegam na ilha são direcionados para o campo de refugiados de Mória.

O campo tem capacidade para 4 mil pessoas e hoje tem mais de 20 mil pessoas. Existem diversos casos de mães e pais solteiros, senhoras idosas, pessoas com câncer sem recebimento de medicação, pessoas com problemas de locomoção, e todos estão esperando alguma decisão. São famílias às vezes esperando mais de 2 anos apenas para fazer uma entrevista pra saber o status de sua situação, sem previsão de saber aonde poderá ser realocado. Infelizmente o campo não tem estrutura, pessoas vivem em barracas de acampamento, sem aquecimento. Comida e água è controlada e a quantidade de lixo dentro do campo não para de crescer, junto com isso com se cria mais problemas de saúde e os impactos psicológicos são incalculáveis. Crianças não recebem nenhuma estrutura psicológica por parte das autoridades, além de contar os riscos de estupro e agressão sexual.

O campo vive um cenário de pós guerra e minha reportagem fotográfica com mais de 50 fotos com nomes e histórias mostram a real situação que essas familias estão vivendo lá.

Confira o trabalho fotográfico completo

Categorias: Asia, Direitos Humanos, Foto reportagem, Migrantes
Tags: , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort