Vazamento de gás tóxico deixa onze mortos e milhares hospitalizados na Índia

07.05.2020 - Nova Delhi, India - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol

Vazamento de gás tóxico deixa onze mortos e milhares hospitalizados na Índia
Vazamento da LG Polymers na India. Mais de mil pessoas estão hospitalizadas na região de Visakhapatnam. (Crédito da Imagem: Captura de video)

Por Praveen S./ Brasil de Fato

O vazamento de gás de uma fábrica de produtos químicos LG Polymers deixou pelo menos onze mortos e milhares de cidadãos hospitalizados no estado de Andhra Pradesh, sul da Índia, na manhã desta quinta-feira (7).

A unidade pertence ao conglomerado sul-coreano LG, conhecido no Brasil pelos eletroeletrônicos. A empresa informou que investiga as causas do incidente.

Mais de mil pessoas estão hospitalizadas na região de Visakhapatnam, distrito onde ocorreu o vazamento. A maioria delas apresenta náusea e tontura, e quase 100 ficaram desacordadas.

“Estamos avaliando a extensão dos danos causados ​​aos moradores da cidade e tomando todas as medidas necessárias para protegê-los”, afirmou a LG Chem, proprietária da LG Polymers, em comunicado à imprensa.

A unidade onde foi registrado o incidente estava com as atividades suspensas por conta das medidas de isolamento para contenção do coronavírus.

O gás químico vazou de dois tanques de 5.000 toneladas que estavam sem a devida vigilância, e se espalhou por um raio de até 5 km.

Cerca de 20 trabalhadores estavam no local no momento. Eles preparavam a fábrica para retomar as atividades após 40 dias de bloqueio.

Uma das substâncias encontradas em maior quantidade naquela indústria é o estireno, classificado como possível substância cancerígena pela Agência Internacional de Pesquisa do Câncer (IARC).

A Agência Americana de Proteção do Ambiente (EPA) acrescenta que essa toxina pode afetar o funcionamento respiratório e digestivo. Esse gás também provocaria alterações no sistema nervoso central, o que explica os sintomas relatados pelos pacientes hospitalizados nesta manhã.

O primeiro-ministro Narendra Modi convocou uma reunião de emergência para tratar do caso e se pronunciou nas redes sociais, informando que a situação está sendo “monitorada de perto”. O governo central liberou 10 milhões de rúpias, o equivalente a R$ 670 milhões, para reparar os danos causados à população de Visakhapatnam.

Tragédia anunciada

Ex-secretário de assuntos econômicos da Índia, o ativista E. A. S. Sarma está na cidade onde ocorreu o vazamento e conversou com a reportagem do portal indiano Newsclick. Segundo ele, não há clareza sobre as substâncias que vazaram durante a madrugada.

“Eu acessei os documentos disponíveis na página da LG Polímeros. De acordo com as informações, o gás que vazou seria o pentano. Trata-se de um hidrocarboneto com alto poder calorífico, com estrutura semelhante à do gás de cozinha. É um gás muito explosivo, que afeta os olhos, a respiração e a pele. Se inalar uma dose excessiva, a pessoa pode desmaiar e até morrer. É letal. Porém, conversei com alguns cientistas que disseram que o gás que pode ter vazado é o estireno, que seria ainda mais tóxico. Então, prefiro aguardar os exames periciais”, explica.

LG Polymers, India. Captura de video

Para o ativista, o incidente poderia ter sido evitado com mecanismos de fiscalização mais rígidos, que dependem de vontade política.

“Nos últimos cinco anos, na região de Visakhapatnam, temos notícia de 30 a 40 grandes acidentes industriais. Em todos os casos, trabalhadores perderam a vida, moradores do entorno foram afetados. Venho questionando o governo sobre as ações que precisam ser tomadas contra as indústrias, por negligência criminosa, e mesmo os funcionários do estado, que deveriam fazer o monitoramento da segurança industrial e da poluição. Mas nunca houve resposta por parte deles. O próprio Ministério do Meio Ambiente da Índia vem flexibilizando a fiscalização ambiental de indústrias farmacêuticas e químicas, o que não é nada prudente”, afirma E. A. S. Sarma.

O governo vem sendo extremamente brando com empresas que violam leis ambientais, direitos humanos e a legislação de modo geral, sem nenhuma reação. Nunca encontrei um único promotor que tenha denunciado alguma dessas indústrias onde já ocorreram acidentes. Em nome dos negócios, estamos colocando em risco a vida das pessoas em toda parte.

 A história se repete

Em 1984, a Índia foi palco do maior crime industrial da história, justamente em um vazamento de gás tóxico de uma indústria química. Na ocasião, a substância que vazou foi o isocianato de metila. De lá para cá, estima-se que 600 mil pessoas foram afetadas na cidade de Bhopal, onde estava instalada a fábrica de agrotóxicos da companhia estadunidense Union Carbide.

Categorias: Asia, Ecologia e Meio Ambiente, Política
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.