‘Uma repressão perturbadora à liberdade de imprensa’: Paquistão bloqueia arbitrariamente o site Slate.com

13.01.2020 - Paquistão - Global Voices Online

‘Uma repressão perturbadora à liberdade de imprensa’: Paquistão bloqueia arbitrariamente o site Slate.com

Por Hija Kamran

O último bloqueio está ativo desde 2 de novembro de 2019

As autoridades do Paquistão continuam o bloqueio arbitrário do site da revista on-line slate.com,  baseada nos EUA, que publica sobre atualidades, política e cultura. Esta é a segunda vez que o site foi bloqueado no Paquistão em 2019, e a terceira vez desde 2018.

O site foi bloqueado pela primeira vez por servidores paquistaneses em julho de 2018, por razões ainda desconhecidas. De acordo com informações do Open Observatory of Network Interference (OONI), a revista foi bloqueada novamente em junho de 2019 devido a cobertura do Movimento Pashtun Tahafuz (PTM), que defende os direitos humanos da comunidade Pashtun no Paquistão. Por outro lado, segundo informações do NetBlocks, o último bloqueio está em vigor desde o dia 2 de novembro de 2019, sem qualquer notificação ou declaração das autoridades.

Segundo dados do NetBlocks, compartilhados com a autora, embora o site slate.com tenha sido constantemente bloqueado nas redes locais de Provedores de Serviços de Internet (ISPs) desde o início de novembro de 2019, diferentes ISPs fizeram bloqueios em dias diferentes. Por exemplo, o Nayatel bloqueou o acesso ao site em 4 de novembro, enquanto outros bloquearam no dia 2. Além disso, o site foi periodicamente bloqueado nas redes Zong (CMPak Limited). No momento da redação deste artigo o site estava acessível na conexão de dados do Zong.

Katie Rayford, diretora de Relações Midiáticas do Slate, confirmou à autora que o site sofreu uma queda de tráfego de 50% no Paquistão, desde 1.º  de novembro de 2019. Ela disse (tradução):

“É profundamente preocupante que o Paquistão, um país democrático com uma constituição que garante a liberdade de expressão, tenha mais uma vez optado por bloquear um veículo de mídia dedicado a divulgar informações verdadeiras para leitores e ouvintes ao redor do mundo. É ainda mais alarmante [que] agentes de governo tenham feito isso sem avisar a nós – e mais importante, aos seus cidadãos – sobre a razão da censura de nossas reportagens. Nós pedimos ao governo do Paquistão total transparência em seu processo de decisão e a reversão dessa perturbadora repressão à liberdade de imprensa.”

O site Slate já experimentou repetidas vezes a inacessibilidade arbitrária no Paquistão durante outros casos de censura de internet no país. Nenhuma instituição oficial notificou o site e os usuários sobre o bloqueio. Segundo a seção 37 da Lei de Prevenção de Crimes Eletrônicos (PECA), a Autoridade em Telecomunicação do Paquistão (PTA) tem a função de regular, bloquear e excluir conteúdo on-line. Contudo, os poderes da PTA de bloquear conteúdos sem emissão prévia de aviso foi contestada pela  Suprema Corte de Islamabade (IHC), que determinou que é ilegal que a autoridade regulatória bloqueie conteúdo on-line, a não ser que formule as regras através da PECA. A PTA ainda não redigiu ou divulgou tais regras.

Usuários da internet paquistaneses têm experimentado um aumento da censura on-line, que faz parte de uma tentativa mais ampla por parte das autoridades de controlar e sufocar a dissidência no país. Muitos casos de flagrante censura on-line foram relatados, sejam sites inteiros bloqueados ou restrições de acesso a páginas ou seções de sites. Também há casos documentados de bloqueio oficial completo de coberturas de assuntos ou eventos específicos, como a cobertura do movimento Pashtun Tahaffuz. Programas de TV foram tirados do ar por criticarem políticas de estado e membros de partidos de oposição foram impedidos de dar entrevistas.

Além disso, a contínua repressão à liberdade de imprensa e de expressão contribuiu para a situação de hostilidade generalizada ao jornalismo e à liberdade de informação no Paquistão. Leis como a Lei de Prevenção de Crimes Eletrônicos (PECA), que legitimam a censura em nome de uma ambígua definição de segurança nacional, violam o direito fundamental à liberdade de expressão do povo e o direito à informação protegidos pelos Artigos 19 e 19-A da Constituição do Paquistão, respectivamente.

A liberdade na internet e de imprensa continuam a diminuir a cada ano, de acordo com o relatórios anuais da Freedom House de Liberdade na Internet e Liberdade de Imprensa. Em um país democrático como o Paquistão, cujos representantes oficiais orgulham-se da liberdade de imprensa no país em plataformas internacionais, as tentativas de sufocar a dissidência e restringir o acesso à informação através de uma censura irracional e sem aviso prévio refletem a hipocrisia na forma como decisões democráticas são tomadas no país.

A liberdade de expressão e o acesso à informação são valores fundamentais de qualquer sociedade democrática e, para que o Paquistão respeite verdadeiramente os valores da democracia, suas autoridades terão que aceitar que críticas às políticas de estado e instituições não constituem retórica antiestatal, não são uma questão de segurança nacional e não são uma agenda estrangeira. No mínimo, a repressão contra opiniões críticas é um atributo de governos autoritários, e tal governança contradiz tudo aquilo em que se baseiam as fundações do Paquistão.

Categorias: Asia, Cultura e Mídia, Opinião
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.