França: Com ferroviários paralisados, greve contra reforma da previdência chega a 29º dia consecutivo

02.01.2020 - São Paulo, Brasil - Opera Mundi

França: Com ferroviários paralisados, greve contra reforma da previdência chega a 29º dia consecutivo
Reprodução. Sindicatos anunciaram nova mobilização para 9 de janeiro

Funcionários da linha ferroviária francesa estão em greve desde o dia 5 de dezembro; nova mobilização foi anunciada para 09/01

A greve contra a reforma da previdência da França proposta pelo presidente Emmanuel Macron chegou ao 29º dia consecutivo nesta quinta-feira (02/01) com a paralisação ininterrupta dos trabalhadores do setor ferroviário.

Os funcionários da linha ferroviária francesa estão em greve desde o dia 5 de dezembro, se tornando a greve mais longa do setor na história da França. Entre 1986 e 1987, a Sociedade Nacional das Ferrovias (SNCF), empresa responsável pelo transporte de trilhos no país, registrou 28 dias de paralisação.

Nesta quinta-feira, terminais estavam bloqueados em Paris, capital do país, e em outros locais da França. A frota de circulação dos trens internacionais está pela metade, assim como entre regiões e cidades francesas.

Apenas duas das 16 linhas automatizadas, que não precisam de maquinista para operar o trem, estão funcionando normalmente. Pela manhã, cerca de 200 trabalhadores se concentraram em frente uma refinaria na região oeste do país e bloquearam as saídas.

Os sindicatos da França anunciaram que uma nova mobilização para a próxima quinta-feira (09/01). Os organizadores também afirmaram que a partir de segunda-feira (06/01) estão previstas manifestações de trabalhadores liberais, como advogados e profissionais da área petroleira.

Em seu discurso de fim de ano, Macron confirmou a determinação de aprovar a reforma previdenciária, e uma nova negociação entre governo e sindicatos está marcada para a próxima terça-feira (07/01).

O presidente da Confederação Geral do Trabalho (CGT), Philippe Martinez, reagiu negativamente a fala de Macron e disse que “mais greves são necessárias em todos os lugares”.

Greve Geral

As centrais sindicais já convocaram diversas mobilizações em rechaço à reforma de Macron, que foi uma promessa de campanha quando o presidente concorreu à presidência.

No último 17 de dezembro, cerca de 1,8 milhões de pessoas foram às ruas da França para protestar contra a reforma de Macron. No dia, segundo a GCT, mais de 260 manifestações aconteceram em mais de 80 cidades do país.

Esse foi o segundo dia que a greve contabilizou mais franceses na rua. Em 5 de dezembro, no primeiro dia de greve geral, mais de 1,5 milhão de pessoas estavam nas ruas.

Ainda no dia 16 de dezembro, o Alto Comissário para a Aposentadoria na França e idealizador do projeto da reforma da previdência do país, Jean-Paul Delevoye, pediu demissão. O ex-funcionário mantinha cerca de 13 contratos como consultor e ocultou a informação do governo francês, motivo que gerou sua saída.

Categorias: Direitos Humanos, Europa, Política
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.