Povo Grita Não ao capitalismo selvagem

02.12.2019 - Vinícius Chamlet

This post is also available in: Espanhol

Povo Grita Não ao capitalismo selvagem

A América do Sul é sacudida com manifestações longitudinais. Equador, Bolívia, Colômbia e Chile são alguns exemplos da insatisfação popular. Tais manifestações poderiam ser entendidas como uma manifestação a face selvagem do capitalismo?

Cada caso é um caso. Cada país possui as suas especificidades, ou seja, suas particularidades, correlação de forças e estrutura social cunhada ao longo dos séculos. Os protestos se espalharam relevando a insatisfação popular.

Equador, Chile e Colômbia: revolta contra o neoliberalismo

O Equador de Lenin Moreno foi palco de intensos levantes populares protagonizados pelo movimento indígena local, que se rebelou contra o pacote golpista e neoliberal. No Chile, berço do neoliberalismo, o povo se revolta por motivos muito semelhantes. E na Colômbia de Ivan Duque, as ruas também levantam o tom contra as medidas de austeridade.

É sempre difícil traçar paralelos com realidades diferentes. Mas nos casos citados temos um aumento da desigualdade social, que é potencializado pelas medidas neoliberais, que retiram as redes de proteção criadas para assegurar uma vida com o mínimo de dignidade para os entes mais pobres destes países.

As medidas neoliberais aprofundam as tensões sociais, na medida em que há um aumento do custo de vida. E em tais contextos, não é raro se ter manifestações, o povo toma as ruas. Como em diversas revoluções que foram causadas pelo aumento da miséria e da dificuldade de se viver. Como na Revolução Francesa, que teve entre seus estopins, o aumento do preço do pão.

Novos modelos para velhos problemas

O Brasil sob a ótica neoliberal, que tem estraçalhado direitos trabalhistas, previdenciários, e aumentado a precariedade do trabalho, ainda não se rebelou. Mas falta pouco. O aumento do preço da carne, alta do dólar, que na prática significa o aumento do pão – uma vez que o trigo é importado, o Brasil não produz todo o trigo que consome – já testa a animosidade da população. O estrangulamento econômica gera rebelião popular.

O esgotamento do modelo neoliberal mostra que sua falência é clara. É importante pensar em uma outra forma de se construir as relações socio-econômicas. Aprender com os povos originários, e a ideia de bem viver. A construção do respeito à dignidade humana acima de qualquer lucro.

Categorias: Economics, Human Rights, Opinions, South America
Tags: ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.

maltepe escort