Justiça de Honduras determina pena de 30 a 50 anos para assassinos de Berta Cáceres

03.12.2019 - São Paulo, Brasil - Redação São Paulo

Justiça de Honduras determina pena de 30 a 50 anos para assassinos de Berta Cáceres
A filha de Berta Cáceres, Bertha Zúñiga Cáceres, em uma vigília realizada em 2016 na sede da OEA para exigir justiça no caso da líder assassinada (Crédito da Imagem: Daniel Cima/CIDH)

Por Camila Parodi e Zoe PC/Marcha Noticias / Peoples Dispatch

Bertha Zuñiga, filha da liderança indígena, comenta sentença sobre o caso: “O caminho não termina aqui”

O caso de Berta Cáceres, liderança indígena e popular assassinada há 3 anos, segue em pauta na justiça de seu país, Honduras. Nesta segunda-feira (02), a Suprema Corte hondurenha anunciou a sentença de cada um dos sete envolvidos no assassinato. Entre eles, um funcionário e um ex-funcionário da empresa hidrelétrica DESA, responsável pelo projeto hidrelétrico Agua Zarca, ao qual a líder e as comunidades indígenas lenca sempre se opuseram, e membros das Forças Armadas.

Com a sentença, a Corte individualizou a pena de cada um dos condenados – sob protestos da família e dos movimentos indígenas e populares – e agora deve determinar novas investigações sobre o assassinato para incluir os autores intelectuais do crime.

Quatro dos condenados, Elvin Rápalo, Óscar Torres Velásquez, Edilson Duarte e Henry Hernández, cumprirão pena de 34 anos pela execução do assassinato de Berta Cáceres, mais 16 anos e 4 meses pela tentativa de assassinato de Gustavo Castro.

Outros dois, Sergio Ramón Rodríguez e Douglas Bustillo, cumprirão pena de 30 anos e 6 meses como coautores. Mariano Díaz, ex-oficial do Exército, também foi condenado e cumprirá pena de 30 anos por omissão.

Embora o Ministério Público tenha anunciado publicamente diversas vezes que continua investigando o caso, até a data não foram decretadas mais ordens de prisão por autoria intelectual, a não ser de David Castillo, presidente da DESA, que cumpre prisão preventiva a mais de um ano e meio sem que seu caso avance para um julgamento.

Nesse sentido, o Conselho Cívico de Organizações Populares e Indígenas de Honduras (Copinh), organização indígena coordenada por Berta Cáceres, sustenta a exigência de uma justiça integral e espera que a justiça determine também as prisões dos autores intelectuais do crime.

Em diálogo com os portais Peoples Dispatch e Marcha, Bertha Zuñiga, atual coordenadora do COPINH e filha de Berta Cáceres, comenta esta nova fase do julgamento e possíveis desfechos.

Sede da OEA, 2016. Foto Daniel Cima/CIDH

–Marcha e Peoples Dispatch: Por que esta sentença é importante para o Copinh?

–Bertha Zuñiga: A importância desta sentença é que ela reconhece a culpa das pessoas vinculadas ao assassinato, ou seja, a dos autores materiais do crime. Ela expressa que o crime estava relacionado aos interesses da empresa DESA, do projeto hidrelétrico Água Zarca, e que houve uma ordem a partir desse lugar para o assassinato, seja através de funcionários próprios ou contratados. E indica também que Berta Cáceres foi assassinada pela sua luta.

Então essa é a importância da sentença, não só porque julga as sete pessoas, mas porque também dá entrada para que sejam analisadas outras responsabilidades dentro da empresa. E então o Estado é obrigado a se comprometer e não dar o caso por encerrado depois de quase quatro anos deste acontecimento tão trágico.

–Por que a sentença demorou tanto pra sair?

Supostamente porque o caso estava protegido, mas, na verdade, durante todo o processo houve uma série de irregularidades e de descumprimento dos prazos que as leis de Honduras estabelecem, porque atuam contra o caminho da justiça e a favor da impunidade. Nós recordamos que este caminho não termina aqui e sim que existe uma dívida imensa com justiça verdadeira e que atrasar o processo, postergá-lo, foi uma estratégia do Estado para tirar a pressão por justiça.

Então essas são parte das irregularidades do processo, recusaram provas, não incluíram algumas perícias que revelavam mais do que os autores materiais do crime, que vinculavam-os a uma vontade política da estrutura criminosa armada para assassinar Berta Cáceres e sua luta.

–Como segue agora o processo a respeito dos autores intelectuais?

Só tem um caso aberto, que também está bastante atrasado, que é o de David Castillo, presidente da empresa. No entanto, sempre dissemos que Castillo é o lado mais fraco dentro dos interessados que tomaram a decisão e financiaram o crime. Uma das nossas demandas  é a prisão dos responsáveis mais importantes, contra os quais já existem provas que poderiam comprovar algum tipo de participação, com nomes e papéis que cumpriam dentro da estrutura do crime.

Categorias: América Central, Assuntos indígenas, Direitos Humanos
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Dia da Não Violência

Dia da Não Violência

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.