Horas de raiva e tristeza pelo golpe de Estado na Bolívia

12.11.2019 - Javier Tolcachier

This post is also available in: Espanhol, Francês, Italiano, Catalão, Grego

Horas de raiva e tristeza pelo golpe de Estado na Bolívia

A cronologia dirá que em 10 de novembro de 2019, Evo Morales Ayma, presidente constitucional da Bolívia, renunciou ao cargo.

A história contada pelos aparatos de direita do senso comum, a mídia privada dominante, não insistirá no fato de que Evo teve que deixar a presidência para tentar deter as hordas fascistas massacradas que executavam contra funcionários do governo e seus parentes, militantes partidários e mulheres em trajes andinos.

O falso relato omitirá o fato de que, na verdade, o primeiro presidente indígena da Bolívia foi derrubado por um golpe de Estado. Um presidente que conseguiu avanços sociais impressionantes, que permitiu que os oprimidos da Bolívia, pela primeira vez em sua longa história, tivessem a dignidade de cidadãos com direitos iguais. Um golpe que não se dirige apenas a um líder, mas a todo um movimento social, no melhor estilo repressivo das ditaduras do século passado.

A história distorcida não dirá que Evo é um representante genuíno das organizações do campo, um homem que trabalhou incansavelmente todos os dias desde as primeiras horas da manhã, um líder a quem não podiam atribuir corrupção ou enriquecimento pessoal. Os jornalistas mercenários, por outro lado, dirão que ele queria “eternizar-se no poder”.

Estes tiranos da comunicação darão voz àqueles que chamam “fim à tirania” a um golpe de Estado consumado contra um governo institucional. Em suas histórias envenenadas, eles glorificarão os vândalos que queimaram urnas, tribunais, sedes de partidos, que atacaram mulheres indefesas por causa de sua aparência e identidade.

Chamarão “corajosos” aqueles que, por dinheiro ou confusão, atuaram como uma força de choque nos episódios iniciais do golpe, quando a contagem dos votos ainda não estava concluída. Embora mais tarde, para cuidar das formas, quando a caça às bruxas é desencadeada após o golpe, eles vão chamar “excesso” para o que está planejado estratégia.

A mídia golpista elogiará a postura “conciliatória” de Mesa – que será um fantoche fraco dos Estados Unidos, se finalmente lhe for dado o assento presidencial – e a “firmeza”, “coragem” e “integridade moral” da versão de Santa Cruz do Ku Klux Klan, Luis Fernando Camacho. Eles clamarão por “unidade” e “pacificação”, para as quais os governantes atuais terão que ser segregados de futuros concursos eleitorais. Eles evitarão cuidadosamente falar de “proscrição”, mesmo que este seja o termo apropriado para suas intenções.

Qualquer declaração anterior de tom fascista e racista será apagada ou matizada para esconder o carácter manifesto do golpe. Os lobos usarão pele de cordeiro, para agradar aos olhos do Senhor. Ou os senhores das multinacionais, sempre prontos para sucatear as empresas de recursos naturais nacionalizados em benefício de acionistas ignorados.

A manipulação da informação apontará para a enorme “contribuição” da Organização dos Estados Americanos (OEA) para “denunciar a fraude eleitoral”.  Ninguém se atreverá a compreender que o relatório desta instituição – 60% financiado pelos Estados Unidos – nem sequer fala de fraude, mas que, certamente e de acordo com o que era previsível, espalha um manto de suspeição ao apontar “irregularidades”.

Ninguém dirá nestes meios de comunicação que foi um controle (talvez forçado) do governo a colocar esta organização conspiratória como garante da democracia.  Uma organização que, se ganhar quem não for funcional aos desígnios geopolíticos do mau vizinho do Norte, coopera publicamente para derrubar o justo vencedor e derrubar o perdedor.

Nenhum editorialista nos meios de comunicação concentrados criticará o silêncio dos governos de direita geralmente “preocupados” com os direitos humanos e a democracia.  No máximo, algumas chancelarias exortarão a retomar os bons costumes republicanos, ou seja, aqueles que favorecem o poder estabelecido.

A imprensa desonesta vai rechaçar a polícia e os militares por se colocarem ao lado da “justa causa do povo oprimido”.  Esta imprensa silenciará qualquer tentativa de investigar os motivos do alto comando das forças de segurança para não cumprir o seu dever de proteger os cidadãos e salvaguardar um governo eleito pela vontade popular.  Caso contrário, haverá uma abundância de crônicas que eliminarão toda referência ao espírito golpista de suas ações.

Não há dúvida de que nenhum desses meios de comunicação ousará incluir em seus textos qualquer referência a possíveis planos e intrigas com interferência externa antes da eleição, o que colocou a derrubada de Evo Morales como seu objetivo preciso.

Longe de contextualizar o golpe como um movimento geopolítico para minar a soberania e a possibilidade de integração dos povos da América Latina e do Caribe, alguns exaltados cronistas, com um desejo de aumento e aumento de seu salário – falarão de ter dado um passo importante para quebrar a “influência nefasta” de Cuba e Venezuela na região.

Como de costume, a verdadeira história revelará, muito em breve, como as coisas realmente têm sido.

A verdade é que hoje os poderosos, a direita, os fascistas, os retrógrados e os violentos esfregam as mãos e celebram a queda de um governo popular.

Os pobres da terra choram de angústia e raiva. E nós com eles.

Categorias: Direitos Humanos, Humanismo e Espiritualidade, Opinião
Tags: ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

 

Caderno de cultura

Cuaderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.