A necessidade constante de reconquistar direitos é o maior desafio para as mulheres

30.11.2019 - Guatemala - Diálogos do Sul

A necessidade constante de reconquistar direitos é o maior desafio para as mulheres
Liberdade de expressão, igualdade de direitos (Crédito da Imagem: Flirk / Reprodução)

No avançado século da tecnologia, a misoginia e o machismo ainda são o maior desafio para a liberdade feminina

CAROLINA VÁSQUEZ ARAYA

Nada está dito. Inclusive a participação política, um dos direitos elementares em qualquer sociedade, representa um obstáculo para a metade da população do mundo, em estruturas desenhadas com visão patriarcal e profundamente antidemocrática. No avançado século da tecnologia a marginação das mulheres continua latente, fora de toda lógica e em aberta contradição com os supostos avanços da Humanidade.

Esta realidade fica plasmada em leis restritivas sobre um dos aspectos mais íntimos de um ser humano como é a saúde sexual, sobretudo em uma crescente influência de doutrinas cujos preceitos colocam a mulher em uma posição dependente, subordinada e abertamente inferior.

Quando se enfatiza a absoluta urgência de estabelecer parâmetros a partir dos estamentos políticos e sociais para eliminar a violência contra a mulher, nos encontramos com um cenário cada vez mais restritivo em temas como a educação em igualdade, o direito à interrupção de gravidezes provocadas por violação, o direito à equidade em salário, participação política, acesso ao crédito, eliminação de toda forma de discriminação institucional e de qualquer outra índole e, de maneira muito pontual, a proteção de meninas e adolescentes e mulheres adultas contra essas limitações que fazem da marginação uma forma de vida.

Aquelas que experimentam com maior violência o choque com a realidade imposta a partir deste sistema são as meninas e adolescentes, enfrentadas desde seu nascimento à discriminação e à violação de sua integridade física, sexual e social.

Privadas da capacidade de defender-se da agressão nos diferentes cenários de seu entorno, desde muito cedo devem aceitar a desigualdade como norma de vida, mesmo quando pertençam a um círculo privilegiado dentro de sua comunidade.

 

 

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Opinião
Tags: , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.