Seminário sobre terra e territórios marcam lançamento da Frente Parlamentar de Agroecologia

05.09.2019 - Rio de Janeiro - Mídia NINJA

Seminário sobre terra e territórios marcam lançamento da Frente Parlamentar de Agroecologia
(Crédito da Imagem: Lula Marques)

Aconteceu na manhã desta terça o seminário Terra e Territórios: alimentação saudável e redução de agrotóxicos, marcando o lançamento da Frente Parlamentar de Agroecologia e Produção Orgânica na Câmara dos Deputados.

A ideia do seminário e da frente é trazer luz ao debate sobre os desafios da agricultura, do meio ambiente e da segurança alimentar no Brasil, bem como a avaliação do estágio de implementação das políticas públicas e determinações legais relacionadas a este setor. O seminário acontece durante o dia todo e mais de 600 pessoas de movimentos sociais, agricultores familiares, estudantes, trabalhadores do campo de diversas cidades.

Uma série de debates acontece na segunda parte, pela tarde, e um deles vai falar sobre o PNARA – Política Nacional de Redução de Agrotóxicos, pauta importante que tramita no Congresso Nacional e é o antídoto para a política de liberação de agrotóxicos a qual o país está submetido.

Participaram da abertura o Deputado Federal Helder Salomão, Leonardo Monteiro, da Comissão de Legislação Participativa, o Deputado Federal Rodrigo Agostinho, da Comissão do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Bela Gil, apresentadora e ativista alimentar, João Paulo Rodrigues, da coordenação do MST, Joe Valle, produtor de orgânicos do DF, Dênis Monteiro – Representante da Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), Rogério Dias – Representante da Associação Brasileira de Agroecologia (ABA).

Além da preocupação com a liberação de agrotóxicos e desmatamento para avanço do agronegócio, os participantes lembraram os retrocessos que o Ministério do Meio Ambiente e o governo tem realizado.

“Nós estamos num momento que a direita quer apagar a nossa luz e, pra segurar, para resistir, quando eles apagarem a luz a gente tem que estar com as mãos dadas um com o outro. Mais do que nunca é hora de ninguém soltar a mão de ninguém. A derrota do agro só é possível se trouxermos o consumidor pro nosso lado, ora pra fazer a luta contra o veneno e hora pra fazer luta contra o que eles chamam de comida que é na verdade soja pra exportação” reforça João Paulo, do MST.

“Estamos vendo um ataque sistemático aos povos e comunidades tradicionais. Precisamos fazer a nossa resistência, o Brasil tem hoje mais de 40 milhões de hectares de áreas desmatadas e não utilizadas”, afirma deputado Rodrigo Agostinho, presidente da frente parlamentar de Meio Ambiente.

Bela Gil reitera a posição de uma mudança alimentar como caminho de mudanças políticas: “Não dá mais pra gente produzir comida as custas de desmatamento e queimadas na floresta, de assassinato dos povos indígenas, quilombolas, da concentração de terra, do envenenamento da terra e da água, da desigualdade e da fome no campo. A alimentação é uma grande ferramenta de transformação. Comer, assim como viver, é um ato político. Mas ele só é um ato político se tem”.

Os presentes também participaram de uma coletiva de imprensa no Salão Verde do Congresso.

Categorias: Ámérica do Sul, Ecologia e Meio Ambiente, Região

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.