O fogo da direita latino-americana

10.09.2019 - Córdoba, Argentina - Javier Tolcachier

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Catalão

O fogo da direita latino-americana
(Crédito da Imagem: pixabay)

As chamas na Amazônia sintetizam a imagem da atual situação política na América Latina. De acordo com um boletim recente do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social deste ano, houve 40.341 incêndios na Amazônia, o número mais alto desde 2010. Não há dúvida de que a catástrofe humana e ambiental que isso representa está enraizada nos interesses de lucro de setores rurais e no aumento geral da temperatura. Tudo isso é resultado de uma política predatória incentivada pelo capital oligárquico e transnacional e seu braço político, a direita internacional.

O governo Bolsonaro, controlado pelas forças militares do país em aliança com o grande grupo empresarial, o oligopólio da mídia, altos níveis do judiciário e os setores retrógrados do evangelismo neoliberal, defende o fogo social do Brasil. A reforma do sistema de pensões, a privatização de bens nacionais, a redução dos programas de redistribuição e promoção à educação pública, a repressão da população marginalizada, a entrega de soberania às opiniões dos Estados Unidos completam o programa iniciado. por Temer, após o golpe da mídia parlamentar que derrubou Dilma Rousseff em 2016 e a prisão ilegal do favorito à presidência Lula. Incêndios sociais que começaram a consumir, em poucos meses, grande parte do apoio do setor populacional que votou no ex-capitão inflamado pelo discurso de ódio e mentiras eleitorais.

Um de seus principais parceiros, o agonizante governo de Macri na Argentina, cujas políticas de corte, abertura indiscriminada ao capital especulativo e enorme endividamento em cumplicidade com o Fundo Monetário Internacional, atividade produtiva calculada, emprego e reservas , transformando a economia argentina em um deserto desolado. O repúdio popular foi sentido nas urnas das eleições primárias, destruindo a possibilidade de prosseguir com o projeto antropofágico e romper o mosaico hegemônico da direita impulsada desde os Estados Unidos.

Pouco antes, as chamas queimaram na última colônia americana da região da América Latina. A população de Porto Rico fez sua voz ser ouvida e jogou o vice-rei imperial – governador no esquema britânico – Ricardo Roselló. Também aqui, um programa de severo ajuste e endividamento havia queimado a planície social. As brasas ainda não saem completamente …

Na Colombia, a violação programada do governo de Iván Duque sobre os compromissos assumidos nos Acordos de Paz abriu as portas para uma nova escalada de execução seletiva de líderes sociais e ex-combatentes. O novo setor armado da guerrilha agora ameaça servir de desculpa ao homem das cavernas, para incinerar a paz e voltar o relógio. O motivo é o mesmo que desencadeou uma guerra de mais de cinco décadas: protegendo a desigualdade e excluindo qualquer processo político que ameace mudar a situação.

Repressão que também foi sinal do regime de Juan Orlando Hernández, após a fraude que permitiu a reemissão de seu mandato – já proibida pela Constituição hondurenha. Fraude que, juntamente com a corrupção, a violência e a miséria mobilizaram massivamente a população em resistência à violação total dos direitos mínimos.

Situação flamejante que se repete no Haiti, um país onde alimentar todos os dias é um milagre. As taxas de pobreza e desenvolvimento humano são as mais baixas em toda a região e o sistema político está entrelaçado com interesses comerciais e embaixadas estrangeiras.

No recente Fórum Patriótico para um Acordo Nacional Contra a Crise, várias forças populares pediram a continuação da série de mobilizações causadas pelo desvio de fundos da PetroCaribe e da Comissão Interministerial para a Reconstrução do Haiti (CIRH) e mais sobre geral, pelo tédio popular com a casta dominante. O objetivo é conseguir a demissão do empresário de banana Jovenel Moïse, atual presidente do país e a instalação de um governo de transição para lidar com as urgências de fome, miséria e desemprego que afetam mais de 80% da população. As condições são dadas para uma ampla revolta popular que culmina com esse governo de direita, também cúmplice da ofensiva política dos Estados Unidos contra a República Bolivariana da Venezuela.

O Equador é outro país que empurrou as agulhas para o passado. Acordos com o FMI, com o Departamento de Estado dos Estados Unidos, indenização e desmantelamento dos novos direitos políticos estabelecidos na constituição de Montecristi, ação judicial para fins de proscrição aos principais quadros da Revolução Cidadã, são algumas das marcas que deixa a traição do atual presidente Lenín Moreno à legítima vontade popular expressa nas pesquisas de 2017. Vontade popular que virou as costas ao governo (aceitação de 16% de acordo com uma pesquisa recente) e aparece em repetidas marchas de protesto, greves e os resultados das últimas eleições seccionais, que não estão dispostas a se render sem lutar contra um sistema político controlado pelas elites do passado, representado pelo cristianismo socialista de Nebot e pelo banqueiro Lasso.

Descontentamento social que estava a centímetros de derrubar o governo de direita paraguaio. Apenas um ano após sua suposição, “Marito” Abdo Benítez – filho do secretário particular do ditador Alfredo Stroessner – salvou o couro cabeludo da guilhotina política apenas por um acordo com a facção rival Colorado. Acordo que patrocinou a embaixada das estrelas e listras para impedir que outro peão fosse apagado do quadro. As pessoas pediram sua demissão pelo tratado secreto com o Brasil na usina hidrelétrica de Itaipu que prejudicou o Paraguai. Além do impasse, a capital política de Benítez já foi consumida e a figura do “jovem renovador” com quem sua candidatura foi promovida permaneceu no fundo do poço. A cidade aguarda a próxima oportunidade de trovoar a barragem.

Na Guatemala, a corrupção política intrínseca ao sistema foi bem-sucedida graças à proscrição política da ex-juíza Thelma Aldana. Ele ganhou novamente um direito protegido pelos Estados Unidos na figura do ex-diretor penitenciário Alejandro Gianmattei. Acusado de execuções extrajudiciais por ocasião da Operação Peacock, ele prometeu um regime de “mão dura”, com a provável reintegração da pena de morte. Ele será um sujeito do mercado e um seguidor diligente do que o governo Donald Trump indica. A resistência aqui não demorará muito, nem dos setores indígenas e rurais nem de certos cidadãos exasperados pela frustração de um país socialmente fracassado, que detém o recorde trágico de desnutrição infantil crônica superior a 46%, o maior de toda a América Latina .

O mandato do ex-banqueiro Pedro Pablo Kuczynski no Peru durou apenas dois anos. Seu substituto, Vizcarra, caminha sobre o desfiladeiro das reformas político-judiciais que ele dirige. Reformas que, apesar de serem almejadas pela população e negadas por um setor do establishment corrupto, dificilmente são uma maquiagem para continuar com a pilhagem. A dupla direita peruana, a luva financeira da luva branca e o impossível de representar, do clã Fujimori, obstruíram aqui com perseguição política o avanço da esquerda, embora não consiga deter a importante rebelião camponesa anti-extrativista. Rebelião que, como sempre aconteceu no Peru, descerá das colinas para forçar a oligarquia de Lima a respeitar o direito do povo a uma vida melhor.

No Chile não sopram  “os melhores tempos” que o empresário Piñera prometeu a seus nacionais. A greve de 6 semanas dos professores, a reivindicação estendida pela educação pública, as massivas mobilizações para o fim do sistema de capitalização de pensões administrado pelas AFPs, as múltiplas reivindicações setoriais e locais por moradia, saúde e defesa ambiental preveem resultados adversos no próximas eleições municipais.

insatisfação que a oposição real, o Frente Amplio, interpreta.

No total, a direita latino-americana, com seu programa de destruição da possibilidade de nivelamento social, incinerou em pouco tempo seu novo e divulgado ciclo.

Três dos quatro governos latino-americanos de esquerda, Cuba, Nicarágua e Venezuela, são herdeiros de três grandes revoluções, separadas uma da outra por um período de vinte anos. Eles resistiram e resistem à terrível agressão contra-revolucionária que afirmam – como é habitual em regimes conservadores – para quebrar todos os direitos sociais adquiridos. As forças regressivas contêm não apenas uma característica econômica de classe, mas também revelam uma forte restauração racista e neocolonial entre suas especificações.

A Bolívia – o quarto país governado pela esquerda – está se preparando para renovar sua nova revolução indígena e humanista na figura do atual presidente Evo Morales. As conquistas econômicas e sociais e a força reparadora simbólica de um governante emergidas das entranhas do sujeito vencerão em outubro a mentira e a conspiração neoliberal.

Muito mais difícil é a posição da Frente Ampla do Uruguai, que terá que lutar no segundo turno contra a unidade de todas as forças da direita.

O pólo de esquerda também inclui, com suas respectivas nuances, os governos dos ministros do Trabalho de Ralph Gonçalves (São Vicente e Granadinas), Gaston Browne (Antígua e Barbuda), Roosevelt Skerrit (Dominica), Timothy Harris ( São Cristóvão e Nevis) e Keith Mitchell, do Novo Partido Nacional (Granada), todos agrupados na Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (ALBA).

Por outro lado, a enorme aprovação popular do que ocorreu no primeiro ano dos seis anos de López Obrador no México e a vitória iminente da Frente de Todos na Argentina indicam o surgimento de um novo bloco progressivo na América Latina e no Caribe. Um bloco não alinhado à estratégia da hegemonia americana e propenso ao fortalecimento do multilateralismo, à defesa da paz e à integração regional de um sinal cooperativo.

As direitas terão como principal estratégia bloquear qualquer tentativa de colaboração no campo geopolítico entre esse novo bloco progressista e o da esquerda. A verdade é que o tabuleiro estará mais equilibrado novamente. A faísca de esperança acendeu novamente na região. As direitas terão que lidar com seu principal oponente, seus próprios povos.

Categorias: América Central, América do Norte, Ámérica do Sul, Opinião, Política
Tags: , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.