Líder religioso ganha prêmio internacional por sua luta contra a intolerância religiosa

20.07.2019 - Vinícius Chamlet

This post is also available in: Espanhol, Francês

Líder religioso ganha prêmio internacional por sua luta contra a intolerância religiosa

Ivanir dos Santos é um babalaô (sacerdote do candomblé), doutor em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, e uma das vozes que lutam contra a intolerância religiosa no estado do Rio de Janeiro. Criador da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), entidade que reúne representantes de diversas religiões, polícia e membros do sistema judiciário em busca do registro de casos de intolerância religiosa, e da criação de mecanismos de contenção deste tipo de violação aos direitos humanos.

Formado em pedagogia, o acadêmico e líder religioso possui uma história digna de filme.

“Minha tese eu dedico a uma prostituta da Praça Onze, uma camponesa da cidade de Campos, que vem ao Rio nos anos 1950 como empregada doméstica e tem um filho com um baiano”, narra o babalaô Ivanir dos Santos.

“Ela fica sozinha e tem que se prostituir na zona do mangue para sustentar o filho, passando a ser conhecida como Sônia da Mauriti. Aos oito anos essa criança é raptada, vai para Funabem. Aos 14 anos, esse menino vai de novo à praça em um domingo de jogo no Maracanã e ao tentar encontrar a mãe descobre que ela morreu, a versão oficial é de que jogou álcool no próprio corpo e suicidou-se. Esse menino sou eu. Na fase adulta ele descobre que ela foi assassinada por um policial do esquadra da morte de Olaria e a partir desse momento já são quarenta anos de luta pelos direitos humanos, contra o racismo, o genocídio. Tudo tem a ver com essa história”. – Tese de Ivanir dos Santos.

O estado do Rio de Janeiro tem um alto índice de casos de violência religiosa, principalmente a religiões de matriz africana. Um dos reflexos do racismo estrutural que assola o Brasil. Segundo dados do Ministério da Família, da Mulher e dos Direitos Humanos via disque 100, no ano de 2017 houve 537 casos de discriminação religiosa. De 2011 até o segundo semestre de 2018 houve o agudo aumento de 15 casos por ano para 506. Um aumento de mais de 3.270,00%.

“Esse tipo de atitude não deveria ser exceção, mas, infelizmente, além de rara, são muito mais comuns, vindo dos cristãos, ataques a templos religiosos e terreiros de religiões de matrizes africanas do que qualquer tipo de ajuda ou empatia. Para mim, atitudes como a da Pastora Lusmarina são essenciais por dois motivos: primeiramente, ela é uma líder religiosa que influencia os fiéis de sua comunidade. Se os líderes religiosos assumissem um discurso de tolerância e respeito ao próximo, a intolerância religiosa não existiria, pois a intolerância se aprende dentro das igrejas cristãs, ou seja, quem está ensinando os fiéis, senão a liderança das Igrejas? O segundo motivo é pelo fato de ser um reparo. Explico, durante séculos cristãos perseguiram, destruíram e quiseram apagar as religiões de matrizes africanas. Assim, atitudes, como a da Rev. Campos,  apontam para a retratação de uma dívida histórica que nós, Cristãos, temos com a população negra, em geral. Lembrando que Cristãos apoiaram a escravidão, tiveram escravos e forçaram os escravos a construírem seus templos religiosos. O racismo estrutural no qual vivemos foi, em grande parte, ratificado pelo cristianismo, infelizmente.” – Simony dos Anjos em entrevista para Pressenza. Simony é cientista social e membra do coletivo evangélicas pela igualdade de gênero.

Segundo a Declaração Universal dos Direitos Humanos, todo ser humano tem direito a liberdade religiosa. A religião ocupa um espaço importante na vida das pessoas, e o direito de ter ou não uma crença é algo que deve ser levado em consideração quando se pensa a qualidade de vida de populações e os direitos às liberdades individuais.

Ivanir dos Santos será um dos primeiros a receber o prêmio criado pelo governo americano, junto com ele há outros três líderes religiosos de diferentes lugares do mundo.

“Juntos somos mais fortes! E estou convencido de que podemos acreditar num país melhor para os nossos filhos, netos e bisnetos, tendo em mente a educação como transformadora, a justiça social como força inclusiva, e a convivência pacífica como exemplo para o mundo.” – Ivanir dos Santos.

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Humanismo e Espiritualidade, Não violência, Paz e Desarmamento
Tags:

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.