Mulheres caminham em São Paulo em protesto por visibilidade às lésbicas e bissexuais

21.06.2019 - São Paulo, Brasil - Redação São Paulo

Mulheres caminham em São Paulo em protesto por visibilidade às lésbicas e bissexuais
7ª edição da Caminhada, na capital paulista (Crédito da Imagem: Mídia NINJA)

Por Rute Pina/Brasil de Fato

Ato acontece às vésperas da Parada do Orgulho LGBT e pauta temas “esquecidos” por movimentos e pela mídia

A 17ª edição da Caminhada das Mulheres Lésbicas e Bissexuais ocorre neste sábado (22), em São Paulo (SP). Com concentração às 14h na Avenida Paulista, no vão do Masp, a marcha antecede a Parada do Orgulho LGBT, com o objetivo de fomentar discussões políticas em torno do tema e dar visibilidade às “mulheres que resistem a todo o contexto de ódio”.

A militante Juliana Oliveira, da organização da caminhada, reitera que a organização é autônoma, realizada por diversos coletivos e militantes independentes que tentam politizar o debate trazido por um dos maiores eventos do calendário paulistano, no domingo (23).

“Até mesmo como oposição política à Parada, a gente não aceita financiamento de nenhuma em empresa e partido”, explica.

Neste ano, a Parada LGBT terá 19 trios elétricos e investimento de R$ 1,8 milhão da Prefeitura de São Paulo em apoio ao evento. Outras empresas também são patrocinadoras, como Uber, Burguer King e Amstel.

Ela entende que a Parada deixa a desejar em relação às pautas políticas. “A gente conhece a parada, acho que tem um caráter muito festivo e acaba perdendo um pouco a visibilidade política. A compra da Parada por algumas empresas, extremamente capitalistas, apagam algumas pautas”, completa.

Foto Mídia Ninja

A militante lembra que em 2018 um estudo inédito mapeou a violência contra mulheres lésbicas. Entre 2014 e 2017, 126 lésbicas foram brutalmente assassinadas no país, segundo relatório do Grupo de Pesquisa Lesbocídio, do Núcleo de Inclusão Social (NIS), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Ela afirma que há um apagamento das motivações dessas mortes. “Eu acredito que o lesbocídio, seja contra lésbicas ou contra bissexuais, vai um pouco além de apenas estar no grupo homossexual. Ainda tem um caráter muito machista”, defende.

Ela afirma que a caminhada também vai pontuar pautas que são esquecidas como, por exemplo, saúde das mulheres lésbicas e bissexuais.

Neste ano, o mote do protesto é “A política do ódio não nos representa: mulheres lésbicas e bis, trans e cis, na mesma luta pela vida e por liberdade”. O ato encerra na praça da República com apresentações de artistas independentes, com as bandas Mulamba, Umbilichaos, Mioma e Sapataria.

Categorias: Ámérica do Sul, Diversidade, Gênero e feminismos
Tags: , , , , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.