Rede de Comunicação e Jornalismo Não-Violento

22.05.2019 - Gunther Aleksander

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Francês, Italiano, Grego

Rede de Comunicação e Jornalismo Não-Violento
(Crédito da Imagem: Ricardo de la Fuente)

Publicamos aqui as notas tomadas por Alicia Muñoz durante as deliberações que tiveram lugar no âmbito do IV Fórum Humanista Latino-americano, da Rede de Comunicação e Jornalismo Não-Violento. Eles dão conta das preocupações e necessidades dos novos meios de comunicação para continuar avançando na tentativa de instalar novas histórias e olhares sobre a realidade, com foco na paz e na não-violência.

Como responder à situação do Continente e ao tremendo poder que a mídia convencional ganhou graças ao uso de redes virtuais?

No mundo da comunicação sabemos que sempre houve falsas notícias e que elas foram fortalecidas ultimamente devido às novas tecnologias. Este fenómeno, que é contemporâneo, arrasta as pessoas comuns para um fácil acesso à informação digital, causando mesmo interferências nos processos políticos.
No entanto, alguns de seus benefícios são que existem cada vez mais plataformas de comunicação que transmitem suas posições e lutam com a mídia convencional; entende-se que a comunicação se torna um espaço importante para expressar idéias.

Deve ser possível que com os múltiplos meios de comunicação dos movimentos sociais se gere uma grande massa para combater os meios de comunicação convencionais, mas não estamos suficientemente ligados para que os nossos discursos tenham um peso relevante e se tornem uma ameaça para os meios de comunicação que são funcionais ao poder estabelecido. É hora de pensar em como colaborar para construir uma rede de comunicação.

Julián Assange, por seu imenso trabalho, evidencia as contradições dos grandes meios de comunicação: os governos são conteúdos censurados. Por trás dos ataques e perseguição de Julián, que se extraditado seria muito grave porque o que ele estava entregando era informação relevante, está sendo dito que qualquer pessoa pode ser processada e acusada de violar a privacidade dos usuários.

Não se pode pensar no tema da comunicação sem ter em conta o político, que tenta desesperadamente não criar novos meios de comunicação social. No nosso continente, um grande número de jornalistas morre ou é ameaçado sem sequer ser conhecido e condicionado pela falta de liberdade de imprensa. É preciso ter coragem para a articulação das pluralidades: a única maneira de avançar é mostrar que outro jornalismo é possível, e também denunciar a situação de monopólio, gerando coalizões em favor das mudanças.

A Internet é enviesada por interesses comerciais. Os portais de esquerda foram intencionalmente desviados, porque a world wide web já não é a ferramenta que costumava ser. Por esta razão, as coalizões devem ser geradas para que a Internet se torne uma plataforma que funcione para as pessoas.

Um grande tema de discussão para as redes sociais é Como nos tornamos atraentes para o público? O acompanhamento que oferecemos ao público é importante; temos que manter as diretrizes, a credibilidade, encontrar um equilíbrio, encaixar no discurso público e manter nossa visão.

Como podemos confrontar esta força política que temos hoje? As coisas estão se tornando muito radicais, as redes sociais têm uma personalidade e estão assumindo uma vida própria.
É necessário criar alianças, porque os meios de comunicação tradicionais estão a dificultar os meios de comunicação alternativos, que também têm poucos recursos em comparação com os meios de comunicação de massas. Uma plataforma de comunicação deve ser mantida para o futuro, cada um tem sua própria capacidade e necessidade de transmitir. O problema é que estamos na mesma bolha, porque as pessoas têm poucos meios de comunicação alternativos. Precisamos de nos unir, de nos agruparmos com outros. Temos de fazer um esforço para sair da bolha e, para isso, precisamos de alianças com grupos sociais.

Também podemos implementar formatos de comunicação que exijam menos tempo, porque as pessoas não estão dispostas a manter a atenção por muito tempo. Por exemplo, a televisão é um vídeo contínuo que capta a atenção. Os vídeos podem ter o mesmo conteúdo que os textos; você tem que levar em conta as formas exigidas pelo meio de comunicação hoje em dia. A rua é um meio de comunicação que não deve ser abandonado.

Como é que fazes algo para mudar a forma como comunicas?

Ir mais longe requer uma adaptação como a que temos vindo a fazer. É necessário ter mais reflexão e uma estratégia comum; animar, ser criativo, ousado, cumprindo a necessidade de alcançar mais pessoas.
Viemos de uma nova escola de comunicação onde falamos sobre o que acreditamos, mas não ouvimos e não criamos interação. É fundamental tecer mais narradores que se apropriem dos conteúdos, que convidem as pessoas a criar. O problema não é o conteúdo, mas a linguagem, requer adaptação. Estar entre o analógico da rua e o digital, criando narrativa.

Estamos habituados a usar redes, mas não confiamos nelas. Toda a estratégia nunca deveria estar centrada lá.

O desenvolvimento de Pressenza vem abrindo novos campos.

O objetivo da mídia alternativa é mudar o mundo e transformá-lo em um mundo não-violento.

Há um ponto de proporção entre impacto e profundidade; entre junção e processo. O olhar de ganhar gostos e republicações pode levar-nos ao pragmatismo da comunicação capitalista. É necessário melhorar a qualidade dos narradores em uma comunicação multidirecional não só criando impacto, mas também produzindo coisas de outra qualidade que podem exigir mais esforço.

Subjetividade não é a mesma coisa que mentiras, mas é outra coisa para falsificar informações.

Quando você sabe para onde quer ir, você pode entrelaçar as diferentes habilidades e melhorar o que você tem.

Uma forma de combater a desinformação é a seriedade. Credibilidade é tudo. No mundo da comunicação, o que gera influências é a verdade, os fatos concretos, a realidade.

Pensar globalmente e agir localmente: o que não muda é a humanidade, é a história real que nos conecta e nos identifica com o outro. Quando está claro o que se vai escrever, o que se quer dizer, as audiências são identificadas, porque a partir do momento em que a informação existe pode ser transmitida, é mais fácil conectar-se com problemas reais.

Para mudar o mundo temos de ser fortes; temos de criar objectivos comuns para transmitir a mesma onda comunicacional em diferentes países.

Escrever não é para você, você tem que pensar naqueles que vão ler o que você escreve, é para eles.

A multiplicação de relações cria impacto. Pressenza tem um entrelaçamento de relações que devem ser levadas em conta porque é o que permite que a agência se alimente, é o que dá força. Não é um meio comercial, pode ser melhorado porque não participamos do capitalismo.

Porque fazemos o que fazemos? Não concordamos com os meios de comunicação social. Trata-se de avançar de mãos dadas com o humanismo. Estamos a fazer muito mais coisas do que fizemos ou sabíamos, aprendemos. Temos aplicativos em diferentes idiomas; estamos apoiando programas de TV na Internet, programas de rádio, estamos presentes no Facebook. A Pressenza produziu uma série de documentários e somos portas publicitárias para fazer mais. A imprensa não violenta precisa de formar jovens e jornalistas. Podes aprofundar as alianças que tens, é onde há uma grande riqueza. Nós temos possibilidades para criar um departamento gráfico, eles nos ofereceram estes dias. Podemos continuar a expandir o que fazemos, muito, sempre com o objetivo de disputar as histórias, de comunicar nosso olhar, de jornalismo com foco na paz e na não-violência.

Categorias: Ámérica do Sul, Cultura e Mídia, Humanismo e Espiritualidade
Tags: , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.