Anatomia da Paixão de Jesus de Nazaré

19.04.2019 - Bahia, Brasil - Roberto Malvezzi (Gogó)

This post is also available in: Espanhol

Anatomia da Paixão de Jesus de Nazaré
(Crédito da Imagem: CC0)

O que fazer com uma pessoa que incomoda os donos dos poderes, seja qual for a época? A primeira tentativa é a cooptação, ainda mais se tiver popularidade.

Se não conseguir, vem a tarefa mais complexa de eliminar o incomodante. É preciso inventar um pretexto para condená-lo. No caso de Jesus “nós temos uma lei, ele se disse filho de Deus e quem se diz filho de Deus deve morrer” (João. 9,7).

O terceiro passo é a delação. Sempre há um traidor no grupo, alguém capaz de vender os amigos por trinta moedas de prata, desde que lhe seja conveniente, podendo ser até com um beijo (Mat. 26,49).

O quarto passo é sua prisão. Jesus, uma vez delatado, foi preso por pressão das lideranças religiosas e levado à presença da autoridade política, Pilatos. Ele não queria condená-lo, mas, diante da pressão popular, decidiu lavar as mãos. Um júri de aparências, para legalizar a execução.

O quinto passo foi a tortura: chibatadas, coroa de espinho, cusparadas e ofensas (Mateus, 27,27).

O sexto passo é a execração pública. Teve que percorrer as ruas com a cruz nas costas para ser humilhado. Algumas mulheres ficam com dó e choram. Jesus não se faz de coitadinho e lhes diz: “não choreis sobre mim, mas sobre vós mesmas e vossos filhos” (Luc. 23,28).

O último passo é a execução, no caso de Jesus, na cruz. Era a condenação dos piores facínoras, mas também de muitos inocentes. O que distingue Jesus não é o tipo de morte, mas a pessoa diferente que Ele era.

Jesus não replicou, não prometeu vingança, não amaldiçoou a própria condição. Antes já tinha dito a Pedro e seus discípulos que entregava a própria vida de livre e espontânea vontade. Portanto, mesmo preso, sentia-se livre.

Finalmente, ressuscitou, e aí seus algozes já não tinham poder algum sobre ele.  Não voltou para se vingar de Judas, ou dos fariseus, ou de Herodes e Pilatos. Na sua ressurreição apontou para a plenitude dos tempos, o pleroma, o ponto de chegada de todo o Universo, onde estarão os humanos e toda a criação redimida. Lá estarão todos os explorados, os torturados, os executados, os dinossauros, os rinocerontes, elefantes, todos os vegetais, todos os animais, inclusive o Pretinho, nosso cachorro que morreu esses dias.

Em tempo tão obscuro e mesquinho como esse da humanidade, particularmente do Brasil, que a grandeza amorosa do Ressuscitado esteja em todos nós.

Categorias: Ámérica do Sul, Humanismo e Espiritualidade
Tags: , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.