Muro de três milhões de mulheres pede justiça de gênero na Índia

04.01.2019 - Nova Deli - Prensa Latina

Muro de três milhões de mulheres pede justiça de gênero na Índia
(Crédito da Imagem: Countercurrents)

Mais de três milhões de mulheres formaram uma corrente humana ”Vanitha Mathil” (Muro de Mulheres) de 600 km ininterruptos no estado indiano de Kerala, para defender a justiça de gênero e os valores renascentistas em sociedade.

Em solidariedade, os homens desse estado indiano, ao sul, formaram outra corrente humana paralela à do Muro das Mulheres.

O chamado à mobilização para lutar pela justiça de gênero e pelos direitos das mulheres foi dado por 176 organizações progressistas que apreciam o legado do movimento renascentista no estado governado durante o século passado por reformadores sociais famosos como Narayana Guru e Mahatma Ayyankali.

O governo liderado pela Frente Democrática de Esquerda (LDF) em Kerala e pelo Partido Comunista da Índia (Marxista) elogiaram a organização bem sucedida do evento.

Mais de 100 reuniões públicas foram organizadas emKerala com a participação de pessoas de todas os setores da sociedade, no que foi considerada a maior reunião política na história do território.

No mês passado, no meio da disputa pela peregrinação de mulheres ao Templo de Sabarimala, o principal ministro de Kerala, Pinarayi Vijayan, enviou convites a grupos sociais e foi decidido formar o ‘Muro das Mulheres’ com o objetivo de promover a igualdade de gênero.

O Partido Comunista da Índia (Marxista) considerou abordar os problemas das mulheres como parte da luta de classes dessa organização, informou o portal de opinião News Click.

Um grande número de líderes políticos e culturais, artistas, escritores, personalidades esportivas, líderes espirituais, entre outros, participaram da iniciativa.

A ideia do Muro das Mulheres foi proposta por movimentos progressistas devido a controvérsias relacionadas ao veredicto da Corte Suprema da Índia que destituiu a proibição da entrada de mulheres em idade reprodutiva ao templo de Sabarimala.

Depois desse veredito histórico, as forças de direita em Kerala tentam divulgar agressivamente a discórdia religiosa nos últimos meses. Os grupos reacionários promovem a ideia de que a religião indiana está sob ameaça devido à decisão do Tribunal Supremo.

Frente a essa tentativa de criar um cenário de misogenia, a Frente Democrática de Esquerda (LDF) em Kerala e o Partido Comunista da Índia (Marxista) lançaram uma campanha de base para se aproximar das pessoas e debater sobre este tema, com isso, se desenvolveu o Muro das Mulheres na Índia.

Categorias: Asia, Diversidade
Tags: , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.