Câmara de Porto Alegre aprova projeto de ‘Escola Sem Machismo’

30.11.2018 - São Paulo, Brasil - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol

Câmara de Porto Alegre aprova projeto de ‘Escola Sem Machismo’
(Crédito da Imagem: Bianca Araujo)

Por Redação Sul21*

A Câmara Municipal de Porto Alegre aprovou nesta quarta-feira (28) o projeto da vereadora Sofia Cavedon (PT) que estabelece diretrizes para as ações a serem adotadas na rede municipal de ensino para prevenção e combate à violência contra as mulheres e valorização de mulheres e meninas. De acordo com a proposta aprovada, considera-se violência contra as mulheres todas as práticas fundamentadas na crença da inferioridade de mulheres e meninas e na sua submissão ao sexo masculino.

Sofia, que apelidou o projeto de Lei (PLL) Nº 209/17 de “Escola Sem Machismo”, afirma que os avanços das legislações referentes à proteção e valorização das mulheres e de meninas ainda não são suficientes para o enfrentamento das situações de violência, discriminação e opressão que sofrem muitas cidadãs em seus cotidianos.

“Apesar de todos os avanços na legislação brasileira voltada para a proteção da mulher, milhões de mulheres e de meninas enfrentam, no seu cotidiano, situações de violência, discriminação e opressão. Entre 1980 e 2013, foram assassinadas 106.093 mulheres, 4.762 só em 2013. O Brasil tem uma taxa de 4,8 homicídios para cada cem mil mulheres, a quinta maior do mundo, conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), que avaliaram um grupo de 83 países”, afirma.

Para a vereadora, a educação cumpre um papel fundamental para mudar comportamentos machistas e discriminatórios em relação às mulheres e às meninas. “Quanto mais cedo começar a educação para uma cultura não machista, mais cedo os meninos aprenderão a respeitar as meninas. A Rede Municipal de Educação pode cumprir função importante para a difusão de comportamentos não machistas e de respeito às meninas e às mulheres, desde que seus e suas profissionais tenham suporte e formação para tal”, diz.

O projeto, que vai agora para sanção do prefeito Nelson Marchezan (PSDB), sugere que a rede municipal adote como diretrizes das ações de combate ao machismo as seguintes práticas: capacitação das equipes pedagógicas e demais trabalhadores e trabalhadoras em educação; promoção de campanhas educativas com o intuito de coibir a prática de violência contra as mulheres e outros atos de agressão, discriminação, humilhação, intimidação, constrangimento, bullying e violência contra meninas; identificação e problematização de manifestações machistas e racistas; identificação e problematização das formas de violência e de discriminação contra mulheres e meninas com deficiência; realização de debates, reflexões e problematização sobre o papel historicamente destinado a mulheres e meninas, de maneira a estimular sua liberdade e sua autonomia; integração com a comunidade, as organizações da sociedade civil e os meios de comunicação tradicionais, comunitários e digitais; atuação em conjunto com as instituições públicas e privadas formadoras de profissionais de educação; atuação em conjunto com os conselhos municipais da mulher, da criança e do adolescente e da educação; estímulo ao registro e à socialização de práticas pedagógicas que atuem no sentido da erradicação de todas as formas de discriminação contra mulheres e meninas; e intercâmbio com as redes de ensino privadas e das esferas federal e estadual.

*Com informações da CMPA

Categorias: Ámérica do Sul, Direitos Humanos, Não discriminação
Tags: , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.