Presidente do Uruguai manda prender comandante do Exército por críticas a projeto de lei

14.09.2018 - São Paulo, Brasil - Opera Mundi

Presidente do Uruguai manda prender comandante do Exército por críticas a projeto de lei
Presidente Tabare Vazquez (Crédito da Imagem: Frente Amplio Uruguay)

Por Lucas Berti

Tabaré Vázquez considerou que desaprovação feita por militar em programa de rádio foi “atividade política” e violou Constituição; pena é de 30 dias

O presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, mandou prender por 30 dias o comandante do Exército do país, Guido Manini Ríos, após o oficial criticar um projeto de lei que prevê mudanças na reforma do sistema de aposentadoria militar.

Além de emitir opinião sobre o caso, Ríos demonstrou insatisfação com o trabalho feito pelo ministro do Trabalho, Ernesto Murro, falando que o político não estava “bem informado”, ainda que não minta de forma “consciente”.

A Constituição do Uruguai não permite que representantes militares exerçam atividades políticas que não sejam o direito ao voto.

O comandante se manifestou logo após a reforma das aposentadorias, apresentada pela Frente Ampla, ser aprovada no Senado. Durante entrevista ao programa “Todo Pasa”, da rádio uruguaia Oceano FM, Ríos disse que o ministro deve “pegar uma calculadora” e “analisar os termos da lei” para entender a “realidade”.

O presidente disse, nesta quarta-feira (12/09), que a fala “é uma atividade política”, violando, assim, “o artigo 77 da Constituição da República”. Vázquez disse, porém, que a “confiança na lealdade institucional” do chefe do Exército e sua a “boa-fé” em sua atuação “não estão em jogo”.

A punição terá início quando Guido Manini Ríos retornar de missão oficial no México, no dia 18 de setembro.

O ex-presidente do Supremo Tribunal Militar, Julio Halty, explicou ao jornal “El Pais” que existem dois tipos de reclusão no caso de punição a militares. Uma é a “prisão simples”, em que o oficial está apto a circular pela unidade em que cumpre pena. A outra, mais rígida, prevê que o preso deve permanecer “em um recinto fechado”, como é o caso de Ríos.

Polêmicas entre Executivo e Exército

A relação entre Tabaré Vázquez e polêmicas envolvendo militares começou ainda no primeiro mandato presidencial do político, em 2006. Na oportunidade, o presidente destituiu o então comandante do exército, Carlos Díaz, por conta de reuniões feitas com o ex-presidente Julio María Sanguinetti e ex-ministro de Defesa, Yamandú Fau.

O atual comandante Manini Ríos também esteve envolvido em uma polêmica, quando prestou homenagem em sua conta pessoa do Twitter a Artigas Álvarez, irmão do ditador Gregório Álvarez, em julho.

Categorias: Ámérica do Sul, Política
Tags: , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.