Organizações defendem o direito à educação e ao cuidado na primeira infância em audiência no Comitê dos Direitos da Criança

24.09.2018 - Redação São Paulo

Organizações defendem o direito à educação e ao cuidado na primeira infância em audiência no Comitê dos Direitos da Criança

Com base em estudo realizado na América Latina e no Caribe, representantes de CLADE, OMEP e EDUCO apresentaram desafios e recomendações

Representantes da Campanha Latino-Americana pelo Direito à Educação (CLADE), da Organização Mundial para Educação Pré-Escolar (OMEP) – Vice-Presidência Regional para América Latina – e da Fundação Educação e Cooperação EDUCO participaram, este 18 de setembro, em uma audiência no Comitê dos Direitos da Criança da ONU, em Genebra, Suíça. Nessa ocasião, defenderam a plena realização da Convenção sobre os Direitos da Criança (CDC), bem como a promoção de um enfoque coordenado, integral e multissetorial para o cuidado e a educação na primeira infância.

As propostas resultam do estudo “O direito à educação e ao cuidado na primeira infância: perspectivas da América Latina e do Caribe”, uma iniciativa conjunta das organizações mencionadas. A pesquisa revela que, embora as Leis Gerais de Educação da região reconheçam a educação como um direito humano e o Estado como responsável por seu pleno exercício desde a primeira infância, com diferentes pontos de partida, persistem a fragmentação e a dispersão das políticas e práticas para essa etapa educacional, bem como a ausência de um financiamento adequado.

Ressalta-se a necessidade de aprofundar a relevância e a prioridade da educação e do cuidado na primeira infância (ECPI, concebida para crianças de 0 a 8 anos) nos instrumentos legais, políticos, orçamentários e institucionais, para que atendam ao interesse superior da criança e garantam maior proteção aos seus direitos. “Defendemos um enfoque integral do cuidado e da educação na primeira infância, do nascimento aos 8 anos, enfatizando seu valor inerente, para além da mera preparação para as próximas etapas educacionais”, disse Mercedes Mayol Lassalle, da OMEP.

O estudo demonstra o desenvolvimento insuficiente de políticas estatais para crianças de 0 a 3 anos, o que significa que, para muitas famílias e crianças, a educação e o cuidado na primeira infância ainda são um privilégio e não um direito, ampliando as brechas sociais em uma região já desigual como a América Latina e o Caribe.

Da mesma forma, identifica-se uma cobertura insuficiente em ECPI, afetando especialmente os setores sociais com menos recursos econômicos, assim como uma infraestrutura inadequada para tal etapa educacional, em termos de segurança e acessibilidade para todas as pessoas. Também se verifica que a gratuidade da ECPI ainda não é garantida para todas e todos na região, e que é necessário avançar na formação e na valorização dos professores e professoras dessa etapa educacional.

Outra preocupação expressa perante o Comitê diz respeito à tendência crescente à valorização prioritária de êxitos de natureza acadêmica na educação infantil, o que tem submetido crianças cada vez menores a testes padronizados, que negam seu direito à brincadeira, à criatividade, à cooperação, à autoconfiança e à autonomia. “Essa tendência contraria os princípios da CDC e de suas observações gerais, especialmente o princípio da evolução das faculdades da criança”, afirma Mikel Egibar, da EDUCO.

Nesse contexto, as organizações recomendam: que os princípios da CDC sejam incorporados, de maneira mais abrangente e coerente, nos instrumentos legais, políticos e orçamentários relacionados à educação e ao cuidado na primeira infância; que o direito humano à educação de crianças de 0 a 3 anos seja plenamente garantido; que as avaliações e os modelos educacionais para ECPI sejam desenvolvidos com respeito às características específicas dessa etapa de vida, bem como aos conceitos e propósitos de educação previstos na CDC; e o fortalecimento de sistemas públicos e universais de educação e cuidado na primeira infância, como forma de superar as desigualdades e discriminações.

CLADE, OMEP e EDUCO demandaram ao Comitê que apoie os Estados membros da ONU na realização do direito à educação na primeira infância, em diálogo com outros atores relevantes, desenvolvendo diretrizes para a articulação de seus Comentários Gerais às políticas de ECPI. Também solicitaram que o Comitê requeira informações confiáveis e sólidas dos Estados da América Latina e do Caribe, sobre em que medida têm garantido esse direito.

“Reafirmamos ao Comitê nosso compromisso com a realização e o avanço do direito à educação e ao cuidado na primeira infância em nossa região, e também nossa disposição a continuar colaborando e dialogando nesse sentido”, disse Camilla Croso, coordenadora geral da CLADE, no encerramento da audiência.

Estudo completo – A pesquisa, chamada “O direito à educação e ao cuidado na primeira infância: perspectivas da América Latina e do Caribe”, será lançada em 18 de outubro de 2018, às 12h00 do Brasil (GMT -3), com um seminário virtual que terá a presença de Jorge Cardona Llorens, membro do Comitê sobre os Direitos da Criança da ONU, ao lado de outras pessoas convidadas. Baixe o Sumário Executivo do estudo em espanhol e inglês.

O Comitê sobre os Direitos da Criança – É um corpo de especialistas independentes que supervisiona a implementação da Convenção sobre os Direitos da Criança da ONU, por seus Estados Membros. O Comitê também supervisiona a implementação dos protocolos facultativos da Convenção, com relação a participação de crianças em conflitos armados, venda de crianças, prostituição infantil e uso de crianças na pornografia. Todos os Estados Membros devem apresentar relatórios periódicos ao Comitê sobre a garantia e a realização desses direitos. Inicialmente, os Estados devem apresentar um relatório dois anos após assinarem a Convenção; depois, devem apresentar relatórios a cada cinco anos. O Comitê examina os relatórios e expressa suas preocupações e recomendações aos Estados Membros na forma de “observações finais”.

Para solicitar mais informações ou agendar entrevistas, escreva para:

Fabíola Munhoz (CLADE): fabiola@campanaderechoeducacion.org

Laura Chab (OMEP): comunicacion@omep.org.ar

Elodia Giménez (EDUCO): elodia.gimenez@educo.org

Categorias: Central America, Education, Press Releases, South America
Tags:

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.