Bem viver modelo de vida alternativo frente ao sistema capitalista

25.09.2018 - Redação São Paulo

Bem viver modelo de vida alternativo frente ao sistema capitalista

O bem viver está ligado aos povos andinos e amazônicos e vem das palavras indígenas Sumak Kawsay (em quechua). Modelo chave para se pensar novos modelos de sociedade não pautados na competição e no lucro a curto prazo.

Para entender sobre o assunto, entrevistaremos Jobana Moya da Equipe de Base Warmís – Convergência das Culturas.

Pressenza – O que é o bem viver?

Jobana – Bem viver desde a visão quechua-aymara indica que todos somos iguais, que existe a complementação e que cada parte é importante.

A mãe terra tem diferentes ciclos como o Cosmos e nossa própria vida que tem momentos de passividade e atividade; o bem viver também significa estarmos em harmonia com nós mesmos e logo saber como coexistir com todas as formas de existência.

Viver em comunidade saindo do individualismo, todxs temos que viver bem na sociedade com equidade, respeito e sem exclusão em equilíbrio com a Pachamama.

Pressenza – Qual é a origem do bem viver?

Jobana – Sumak kawsay-suma qamaña. É uma proposta do mundo índigena que sobreviveu na memória oral e simbólica dos povos originários de Abya Yala e está relacionado ao mito do Pachakuti (a volta do tempo, a volta do bem viver) ou de retorno ao equilíbrio e harmonia.

Pressenza – Qual é a sua relação com o bem viver?

Jobana – Parte do bem viver para mim na minha vida cotidiana é tratar aos demais como eu gostaria de ser tratada, também significa a revalorização e recuperação da minha identidade (ou como queremos nos identificar em relação a nossas raízes).

Tem relação com minha descolonização, na compreensão que bem viver é diferente de viver melhor.

Na prática do cotidiano, tema relação com comer bem (não perder minhas costumes e saberes na alimentação, produzir meus alimentos a medida que é possível, preparar meus alimentos).

Ter tempo para me conectar comigo mesma e meditar, respeitar meus tempos (não enlouquecer tentando ser produtiva) isso me permite também me conectar com os demais.

Ter tempo para amar e ser amada, tempo para ouvir não só as palavras.

Ser coerente: pensar, sentir e atuar numa mesma direção.

Saber dar e receber, agradecer, não perder a alegria nem a esperança.

*Fim da entrevista

 

Categorias: Ámérica do Sul
Tags:

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.