Machismo na Copa do Mundo e o Papel da Educação

25.06.2018 - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol

Machismo na Copa do Mundo e o Papel da Educação

A Copa na Rússia foi marcada por constantes casos de machismo. Os casos grotescos ilustram a necessidade de se discutir gênero e sexualidade em sala de aula.

Machismo e futebol

A Copa do de 2018 tem sido marcada por constantes casos de machismo. Um dos que ganharam maior repercussão, foi o do grupo de brasileiros que pediram para uma mulher russa repetir palavras de cunho sexual. Após o incidente, uma ativista e jurista russa fez um abaixo assinado para punir brasileiros do caso do assédio.

Ela quer que os brasileiros peçam desculpas publicamente. Os brasileiros foram identificados e estão respondendo por seus atos.

Além deste caso uma correspondente do portal IG sofreu assédio durante uma entrevista. Um integrante de um grupo formado por 14 homens tentou beijá-la. A repórter comentou após o ocorrido que se sentiu muito mal e constrangida.

A jornalista colombiana Julieth González Therán, da Deutsche Welle, foi beijada sem a sua permissão em um link ao vivo. E mais recentemente a repórter da emissora brasileira Globo, Júlia Guimarães, foi assediada por um torcedor no último domingo (24).

Os casos da Copa do Mundo na Rússia não são episódicos e isolados. No mundo inteiro há casos de machismo nos estádios de futebol. Eles não ficam circunscritos à  Rússia ou ao Brasil.

Leia também – “Copa do Mundo 2018 e a política do Pão e Circo”

Educação é o caminho

Os casos de machismo na Copa da Rússia são exemplos de que em pleno século 21 homens se sentem no direito de constranger as mulheres. De tentar beijá-las sem o seu consentimento, e de praticar todo o tipo de assédio. Inclusive de tirar suas vidas.

A educação é uma das vias para melhorar esta situação. O machismo é infelizmente uma realidade dura, que vai desde “brincadeiras idiotas”, passando pelos ataques com ácido em mulheres como a Índia até o feminicídio. Quando mulheres são mortas por conta da questão de gênero.

Este é um dos motivos da importância de se discutir gênero e sexualidade nas salas de aula. Na Rússia temos graves casos de machismo e LGTBfobia, que inclui inclusive leis que proíbem “manifestações homossexuais” em público. Questões relativas a estas temáticas (gênero e sexualidade) devem sim serem tratadas pelos professores(as). Os docentes em todo o planeta não podem ficar omissos para esta realidade, para o machismo, para a LGTBfobia, para o racismo e para as outras formas de preconceito e discriminação.

Os educadores, no sentido amplo do termo, que inclui – além das professoras(os) – mães e pais, familiares e outros agentes, devem estar atentos no que tange à educação de seus filhos, parentes, vizinhos e etc.Todos são responsáveis pela educação das novas gerações. Um trabalho de formiguinha, mas que já tem trazido fortes resultados. A reação do público aos casos de machismo dos brasileiros, por exemplo, é uma demonstração de como as pessoas estão mais abertas e sensíveis às questões de gênero.

Categorias: Educação
Tags: , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Apresentação de vídeo: O que é a Pressenza

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.