Machismo na Copa do Mundo e o Papel da Educação

25.06.2018 - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol

Machismo na Copa do Mundo e o Papel da Educação

A Copa na Rússia foi marcada por constantes casos de machismo. Os casos grotescos ilustram a necessidade de se discutir gênero e sexualidade em sala de aula.

Machismo e futebol

A Copa do de 2018 tem sido marcada por constantes casos de machismo. Um dos que ganharam maior repercussão, foi o do grupo de brasileiros que pediram para uma mulher russa repetir palavras de cunho sexual. Após o incidente, uma ativista e jurista russa fez um abaixo assinado para punir brasileiros do caso do assédio.

Ela quer que os brasileiros peçam desculpas publicamente. Os brasileiros foram identificados e estão respondendo por seus atos.

Além deste caso uma correspondente do portal IG sofreu assédio durante uma entrevista. Um integrante de um grupo formado por 14 homens tentou beijá-la. A repórter comentou após o ocorrido que se sentiu muito mal e constrangida.

A jornalista colombiana Julieth González Therán, da Deutsche Welle, foi beijada sem a sua permissão em um link ao vivo. E mais recentemente a repórter da emissora brasileira Globo, Júlia Guimarães, foi assediada por um torcedor no último domingo (24).

Os casos da Copa do Mundo na Rússia não são episódicos e isolados. No mundo inteiro há casos de machismo nos estádios de futebol. Eles não ficam circunscritos à  Rússia ou ao Brasil.

Leia também – “Copa do Mundo 2018 e a política do Pão e Circo”

Educação é o caminho

Os casos de machismo na Copa da Rússia são exemplos de que em pleno século 21 homens se sentem no direito de constranger as mulheres. De tentar beijá-las sem o seu consentimento, e de praticar todo o tipo de assédio. Inclusive de tirar suas vidas.

A educação é uma das vias para melhorar esta situação. O machismo é infelizmente uma realidade dura, que vai desde “brincadeiras idiotas”, passando pelos ataques com ácido em mulheres como a Índia até o feminicídio. Quando mulheres são mortas por conta da questão de gênero.

Este é um dos motivos da importância de se discutir gênero e sexualidade nas salas de aula. Na Rússia temos graves casos de machismo e LGTBfobia, que inclui inclusive leis que proíbem “manifestações homossexuais” em público. Questões relativas a estas temáticas (gênero e sexualidade) devem sim serem tratadas pelos professores(as). Os docentes em todo o planeta não podem ficar omissos para esta realidade, para o machismo, para a LGTBfobia, para o racismo e para as outras formas de preconceito e discriminação.

Os educadores, no sentido amplo do termo, que inclui – além das professoras(os) – mães e pais, familiares e outros agentes, devem estar atentos no que tange à educação de seus filhos, parentes, vizinhos e etc.Todos são responsáveis pela educação das novas gerações. Um trabalho de formiguinha, mas que já tem trazido fortes resultados. A reação do público aos casos de machismo dos brasileiros, por exemplo, é uma demonstração de como as pessoas estão mais abertas e sensíveis às questões de gênero.

Categorias: Educação
Tags: , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.