Democratização do Sistema Judiciário

21.12.2017 - Redação São Paulo

This post is also available in: Espanhol

Democratização do Sistema Judiciário

A ideia de soberania popular diz que o poder emana do povo, como está descrito na Constituição Federal de 1988. Quando ocorre homicídios, e os réus são julgados por um júri popular, entra em jogo esse conceito de soberania.

O sistema político brasileiro é dividido em três poderes. O legislativo, representado no âmbito federal pelo Senado e pela Câmara dos Deputados. Executivo, no nível nacional é representado pela figura do presidente da república. E o judiciário, tendo por cúpula o STF, e capitaneado pelo seu próprio presidente.

Dos três poderes, apenas dois tem a via eleitoral como forma de constituição de seus membros. Há eleições para presidente, deputados e senadores. Porém não para Ministros do STF, estes são indicados pelo próprio presidente e sabatinados pelo Senado Federal. Isto é, o presidente indica e os senadores confirmam ou não a escolha do chefe do executivo. Para o sistema judiciário vale os concursos públicos, tanto para os juízes de primeira instância, quanto para os de segunda.

A Bolívia é um dos seletos países do mundo em que ocorre votações para os mais altos cargos do poder judiciário. No país vizinho, o povo vai para as urnas eleger 26 titulares de cargos e 26 suplentes, em um total de 52 cargos. Elegem os juízes para os órgãos – Tribunal Agroambiental, Conselho de Magistratura, Tribunal Constitucional e Tribunal Supremo de Justiça. Os juízes de primeira instância precisam passar por concursos.  

Os eleitos têm direito a um mandato de 6 anos, sem poder se reeleger. Para poder se candidatar, é preciso ser advogado e ser aprovado pelo poder legislativo que divulga a lista final dos candidatos a juízes.

O sistema traz a possibilidade de juízes de diversas localidades conseguirem se eleger, como os que etnias indígenas, gerando assim uma maior representatividade. Além do que os mesmos tem que prestar contas para com a população e não podem se sentir como super-heróis pertencentes a uma casta privilegiada e que tomam medidas impopulares sem se preocupar com o que o povo pensa a respeito, apenas devendo favores a quem o indicou – como é o caso dos ministros do STF.  

 

Categorias: Ámérica do Sul
Tags: ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Fórum Humanista Europeu 2018

Apresentação de vídeo: O que é a Pressenza

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.