O Brasil depois de hoje: o impacto da Greve Geral de 28/04

29.04.2017 - Redação São Paulo

O Brasil depois de hoje: o impacto da Greve Geral de 28/04

Há quase um século, em julho de 1917, operários e comerciários desencadearam com sucesso a primeira grande paralisação da classe trabalhadora no Brasil. Orquestrada pela mobilização de organizações operárias de inspiração anarquista, num país em que inexistia leis trabalhistas e em que os trabalhadores eram tratados pelo patronato como semiescravos e grevistas como marginais, a Greve Geral de 1917 reivindicava, entre outras, jornada de 8 horas diárias, abolição do trabalho noturno feminino e a libertação de todos os trabalhadores detidos por motivo de greve. A paralisação geral de 1917 se tornou um marco da luta da classe trabalhadora brasileira. A ponto do então operário gráfico, jornalista e militante, Everardo Dias, descrever com espanto a atmosfera de silencioso vazio que tomou conta das ruas da então já fabril e febril cidade de São Paulo.

Passados cem anos, o dia de hoje amanheceu em muitas cidades brasileiras sob o espanto, o silêncio e o vazio análogos aos descritos por Dias. Que, nas metrópoles como São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte foram quebrados somente quando trabalhadores e trabalhadores puxados pelos carros de som das centrais sindicais, por sindicatos e pelos movimentos sociais tomaram as ruas em protesto contra as chamadas reformas Trabalhista e Previdenciária. Levadas a cabo a toque de caixa pelo governo mais impopular e conservador do país desde o fim da Ditadura Militar, o de Michel Temer. Nas pequenas e médias cidades, onde a opinião pública tende a ser mais conservadora e a paralisação dos transportes pouco ou quase não impacta na mobilidade urbana, as ruas acordaram igualmente silenciosas e preguiçosas, como em feriados. Indústrias, comércios, escolas (inclusa as particulares) e universidades públicas não funcionaram. E até os funcionários do Congresso Nacional aderiram à paralisação.

Foto do Terminal Bandeira vazio em plena sexta-feira – 28/04/2017

Apesar dos esforços do governo e da mídia corporativa em alardear o suposto fracasso da paralisação, o fato é que foi expressiva a adesão popular em quase todo o território nacional. O que abala ainda mais a baixíssima popularidade de Temer – mais de 90% dos brasileiros desaprovam seu governo – e reforça a insatisfação geral da população com as chamadas reformas. Que, apesar de propagadas pelo governo e pela mídia corporativa subvencionada como alinhadas “à realidade do século XXI”, vilipendiam direitos fundamentais até então consolidados e realocam as condições dos trabalhadores brasileiros àquelas anteriores a da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), de 1943. Um pacote de maldades a la “realidade do século XXI” que impõe condições trabalhistas do XIX. Como, por exemplo, o fim da hora de almoço, a possibilidade de demissões coletivas sem justificativa e encargos ao patronato e a imposição do trabalho temporário como realidade concreta no horizonte da classe trabalhadora.



Greve Geral – Largo da Batata as 20h – 28/04/2017 – Foto por Ricardo Stuckert

O sucesso da paralisação geral é devedor em grande parte à união histórica entre as maiores centrais sindicais do país. Uma costura difícil e fatidicamente possível frente a ameaça do fim da contribuição sindical obrigatória. Mas, que se mostrou frutífera e que possui correlato histórico na adesão massiva de algumas dessas centrais à Campanha “Diretas Já!”, pelo fim da ditadura e pelo retorno de eleições diretas para Presidente da República, lá no início dos anos 80. No cenário econômico, a Greve Geral deflagrada pouco ou quase nada impactou os agentes apoiadores das chamadas reformas Trabalhista e Previdenciária e do governo Temer. A base aliada não alterará os votos. E o empresariado a recebeu como prolongamento do feriadão imposto pelo próximo 1º de Maio, Dia do Trabalhador. Do ponto de vista receituário grandes paralisações como a que ocorreu não impactam mais do que expressivos feriados no ano fiscal das grandes e médias empresas.

Por outro lado, o triunfo da Grande Greve de hoje é estritamente político. E, trata-se de uma prestigiosa vitória. Assim como sua irmã centenária, a paralisação geral acionou e acionará inúmeros e profundos starts nas esferas do político e do social. Esse triunfo comprova que a História não cessa. E que continua em movimento. Aberta e receptiva ao futuro. Na camada mais que superficial, coaduna que as centrais sindicais, os sindicatos, os órgãos representativos de classe e os movimentos sociais no Brasil não são mortos-vivos à espera paciente do tiro de misericórdia. Mesmo que a grande reação venha de maneira tardia. Estão vivos e alertas. E que, apesar dos pesares, carregam enorme capacidade política de sensibilizar e mobilizar as massas.

No âmbito das utopias não distantes e possíveis, mas ainda utopia, se a capacidade de união entre as forças sindicais e entre os movimentos sociais sobreviver às condições do presentismo entendido como objetividade política – ou seja, à superficialidade da tradicional política do “toma lá, da cá” – poder-se-á em breve visualizar a edificação de uma colossal força em prol de uma ampla, profunda e necessária reforma política. Emanada e discutida da base ao topo. Gritos e ecos a ela não faltaram nas mobilizações que se descortinaram neste dia Brasil afora.

De todas as regiões e estados do Brasil veio um recado bem dado. Resistências maiores e mais frequentes podem surgir, implodindo a base de apoio entre o empresariado e os políticos que visualizam as eleições de 2018. E, ameaçando ainda mais a sobrevida de um governo que assumiu o poder já fragilizado e fadado ao fracasso, porque não reconhecido pela maioria. Nas ruas de todo o país, hoje, e não em Brasília, é que se decidiu que a agenda de que “o povo é que deve pagar o pato” pelas irresponsabilidades das crises econômica e política deve ser substituída nos próximos dias pela atmosfera do não sobreviverão no poder e pelo poder. É questão de tempo. A Greve Geral abriu horizontes. Em que, tal como 1917, a efetiva participação popular concedeu o tom.

Manifestação na Zona Leste de São Paulo – 28/04/2017 – Foto: Frente Povo Sem Medo
Categorias: Ámérica do Sul, Economia, Educação, Política
Tags: , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.