Holanda: fundo internacional para financiar acesso ao aborto pelo mundo

30.01.2017 - Holanda - Opera Mundi

This post is also available in: Espanhol

Holanda: fundo internacional para financiar acesso ao aborto pelo mundo
Mulheres marcharam contra Donald Trump e suas políticas contra os direitos reprodutivos no último sábado (21/01), em Washington e em várias cidades do mundo. (Crédito da Imagem: katiebordner)

Em resposta a decreto de Trump, Holanda prepara fundo internacional para financiar acesso ao aborto pelo mundo

Presidente dos EUA assinou decreto na segunda-feira (23/01) que retira financiamento de organizações internacionais que promovem acesso ao aborto; Holanda já começou a discutir iniciativa com membros da UE.

O governo da Holanda irá lançar um fundo internacional para financiar o acesso a contraceptivos e ao aborto em países em desenvolvimento, uma resposta à política instaurada pelo governo de Donald Trump na segunda-feira (23/01) que estabelece que os Estados Unidos não mais financiarão organizações que atuam fora do país e que promovem o acesso ao aborto.

“Proibir o aborto não significa que menos abortos serão realizados”, declarou nesta terça-feira (24/01) em comunicado a ministra de Comércio e Cooperação Internacional da Holanda, Lilianne Ploumen. “[A proibição] leva a mais práticas irresponsáveis em lugares insalubres e a mais mortes maternas.”

Segundo Ploumen, a decisão do governo Trump coloca em risco os recentes avanços na saúde das mulheres ao redor do mundo.

Mulheres marcharam contra Donald Trump e suas políticas contra os direitos reprodutivos no último sábado (21/01), em Washington e em várias cidades do mundo

“Não podemos deixar isso acontecer. Precisamos compensar este golpe financeiro o máximo que conseguirmos, com um fundo amplo – ao qual governos, empresas e a sociedade e organizações civis podem fazer doações – para que mulheres continuem controlando seus próprios corpos”, afirmou a ministra.

De acordo com a agência de notícias Reuters, o governo holandês já começou a discutir a iniciativa com outros membros da União Europeia, que responderam positivamente à decisão, segundo informou um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Holanda nesta quarta-feira (25/01). Países não europeus, assim como empresas e instituições, também serão convidados a participar.

A medida reestabelecida por Trump – que já esteve em vigor nos governos republicanos de Ronald Reagan, George H.W. Bush e George W. Bush e que foi suspensa nos governos democratas de Bill Clinton e Barack Obama – exige que organizações não governamentais que recebam fundos dos EUA comprovem que não realizam abortos e que não mencionam o aborto como método de planejamento familiar.

Conhecida como “global gag rule” (“regra da mordaça global”, em tradução livre), tal medida também veta assistência federal norte-americana a organizações internacionais que usam fundos de outros países que não os EUA para financiar programas que realizam abortos ou que fazem pressão pela legalização do procedimento em países onde o aborto é criminalizado.

O governo holandês estima que a restrição da nova administração dos EUA irá custar US$ 600 milhões a organizações internacionais ao longo dos próximos quatro anos. Apesar dos protestos de especialistas em saúde materna e de ativistas pelos direitos das mulheres, Trump já declarou que também irá retirar o auxílio do governo dos EUA a organizações que realizam abortos dentro do país – onde o direito das mulheres ao procedimento está assegurado por uma decisão da Suprema Corte de 1973.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que, anualmente, 22 milhões de mulheres são obrigadas a recorrer a abortos inseguros, a maior parte delas em países em desenvolvimento que criminalizam o procedimento. Um relatório de 2008 da organização estimou que cerca de 50 mil mulheres morrem a cada ano devido a complicações decorrentes de abortos inseguros.

Categorias: Direitos Humanos, Europa, Não discriminação
Tags: , , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.