Reflexões sobre o terremoto na Itália e o novo mundo

02.09.2016 - Evelyn Rottengatter

This post is also available in: Inglês, Espanhol, Italiano, Alemão

Reflexões sobre o terremoto na Itália e o novo mundo

O terremoto ocorrido na noite da ultima terça-feira (23 de agosto) em Amatrice, região central da Itália, trouxe tristes lembranças. As feridas de Aquila, onde um terremoto igualmente violento ocorreu em 2009 deixando 308 pessoas mortas e 67.000 desabrigadas, ainda não foram cicatrizadas. Parte da população ainda vive nas áreas destruídas e o centro de Aquila assemelha-se a uma cidade abandonada. A noite de terça-feira, de acordo com as primeiras reportagens, deixou até o momento ao menos 120 mortos e milhares de desabrigados.

Bem, alguns dizem que esse é o caminho natural. Um terremoto é uma força maior e não há nada que possamos fazer. Outros, que é a revolta da mãe natureza. De qualquer maneira, será realmente significativo verificar como o governo atual agirá dessa vez, se teremos novamente apenas promessas vazias, fundos sendo sugados até o fim sem que nada chegue à parcela mais atingida da população, os mais frágeis, deixando-os desamparados. O percurso neoliberal do primeiro-ministro Matteo Renzi e seu governo não deixa muita esperança. Infelizmente, é o que acontece com quase todos os governos atuais e o nosso (Alemão) não é uma exceção.

No entanto, devemos enxergar isso como uma chance de que realmente podemos reconstruir lares, cicatrizar feridas e proporcionar esperança, não obstante e em desafio a um sistema desumano que há muito tempo não se preocupa mais com nossas vidas. Se nós nos unirmos, especialmente em momentos de caos e sofrimento, uma força transformadora poderá surgir. Um sábio mestre disse certa vez: “Os seres humanos devem ser pressionados a fim de atingir a grandeza”. Este momento certamente chegou. A humanidade está sob pressão. A conquista política por parte das multinacionais, as inegáveis mudanças climáticas, a abolição da democracia, a crise dos refugiados, a guerra e o sofrimento…E agora na Itália o medo de que as pessoas fiquem desamparadas novamente diante de uma catástrofe dessas. Trata-se também de um problema psicológico: como é possível alguém ter esperança, se os políticos, que determinam tudo, provaram repetidamente, sem sombra de dúvida, que não são merecedores de confiança?

Mais: esta é certamente a deficiência dos políticos, da mídia, que apenas apresenta o que é conveniente e de um sistema que despreza a vida em suas diversas formas, que lidera o crescimento vigoroso de uma raiva em nós. Um desejo forte de sobrevivência, a união de forças consideradas vencidas, estão agora sendo postos em liberdade. Amatrice é apenas um exemplo. Todos os dias fatos horríveis acontecem no mundo inteiro e todos são oportunidades que podemos usar para nos reorganizarmos fora desse sistema, para nos unirmos, ajudarmos uns aos outros, pensar, criar e colocar em ação novas direções. Soluções alternativas, estruturas inovadoras, práticas sustentáveis, ações ecológicas, conectarmos e relacionarmo-nos uns com os outros…esse é o trampolim para um mundo novo. E a ligação será feita de solidariedade, empatia e calor humano.

Algo novo apenas pode vir a existir se permitirmos que o que é velho morra. Eis o ciclo sagrado da vida. Está na hora de mudarmos a direção, organizarmo-nos ao invés de esperar que a ajuda venha do alto. É tempo de mobilizar e colocar em uso nossas forças criativas. Uma vez que elas surjam em nós, ninguém nos poderá arrancá-las. Elas não dependem de decisões políticas, comitês ou reuniões de diretoria. Elas são nossa verdadeira potência e, se permitimos, emanam de nossos corações, se permitimos. Nós podemos ser os idealizadores e construtores do nosso mundo. Um mundo novo além do dinheiro e da ganância, das fronteiras nacionais ou culturais. Aqueles que já vivem nele, sabem do que estou falando…Esse mundo já existe em muitos de nós e quem vislumbrá-lo com o coração ao menos uma vez, ficará apaixonado, dedicará sua vida em sua construção. Somos um número cada vez maior de pessoas. Em toda a parte. Todos os dias.

“Temos duas escolhas. Podemos ser pessimistas, desistir e facilitar para que o pior aconteça. Ou podemos ser otimistas, aproveitar as oportunidades que certamente existem e ajudar a fazer do mundo um lugar melhor.” Noam Chomsky

Traduzido do inglês por Karina Rebouças

Categorias: Humanismo e Espiritualidade, Opinião

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

 

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.