Festival que abre espaço para o cinema das periferias chega à 10ª edição

07.09.2016 - Rio de Janeiro, Brasil - Agencia Brasil

Festival que abre espaço para o cinema das periferias chega à 10ª edição

Por Paulo Virgílio/Agência Brasil

Único no Brasil por seu enfoque e referência na América Latina, o Festival Visões Periféricas, aberto na noite de hoje (5), chega à sua 10ª edição, e um total de 63 filmes, distribuídos em quatro mostras competitivas e duas informativas. O evento é considerado a principal vitrine do país para os realizadores da cena experimental e alternativa, que constituem a chamada periferia da produção audiovisual.

As exibições acontecem até o próximo dia 12 no Oi Futuro Ipanema e em cineclubes de diversos bairros da cidade. Depois de uma pausa, a programação será retomada nos dias 23 a 25 no Centro Cultural da Justiça Federal (CCJF), no centro do Rio, com filmes de algumas das mostras e os premiados desta edição.

A sessão de abertura, no Oi Futuro Ipanema, homenageou um cineasta considerado desbravador pelos organizadores do Visões Periféricas, o premiado documentarista Silvio Tendler. No curta-metragem Haroldo Costa – O nosso Orfeu, exibido na sessão, Tendler conta a trajetória de uma personalidade artística fundamental na valorização da cultura negra brasileira. Também produtor e escritor, Haroldo Costa iniciou a vida como ator no Teatro Experimental do Negro e se destacou em espetáculos históricos como o Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, e Orfeu da Conceição, de Vinicius de Morais.

Já os filmes das mostras competitivas Visorama, Fronteiras Imaginárias, Cinema da Gema e Tudojuntoemisturado trazem uma gama variada de linguagens e temáticas, sem regras estéticas ou formatos pré-estabelecidos. São produções que abordam as questões feminina, LGBT, negra e indígena, e a vida nas favelas, ruas, cidades e campo.

Para o idealizador e coordenador do Visões Periféricas, Marcio Blanco, completar dez anos é um marco, principalmente para um festival de perfil diferenciado. “Em dez anos, muita coisa muda: tivemos que lider com diferentes conjunturas políticas e econômicas, além do grande número e diversidade de realizadores. Lidamos com cineastas em início de carreira e tem sempre gente nova querendo participar do festival”, conta.

Além de Tendler, outros três cineastas são homenageados em uma das mostras informativas do festival. São eles Adélia Sampaio, a primeira mulher negra a dirigir um filme de longa-metragem; Filó Filho, produtor audiovisual e editor do site Cultne – acervo digital de cultura negra, e Sergio Péo, urbanista que realizou filmes ligados às questões urbanas, como direito à moradia, e indígenas.

Realizado pela associação cultural Imaginário Digital, o Festival Visões Periféricas conta com os patrocínios da Oi Futuro e da Prefeitura do Rio, através da RioFilme. A programação completa está disponível no site www.imaginariodigital.org.br .

As sessões são gratuitas. O Oi Futuro Ipanema fica na Rua Visconde de Pirajá, 54, em Ipanema, zona sul do Rio, e o CCJF na Avenida Rio Branco, 241, no Centro.

Edição: Jorge Wamburg

Categorias: Ámérica do Sul, Cultura e Mídia
Tags: , , , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.