Feministas realizam encontro sobre a descolonização do corpo

12.07.2016 - São Paulo, Brasil - Redação São Paulo

Feministas realizam encontro sobre a descolonização do corpo
(Crédito da Imagem: Pressenza)

Na sexta-feira (08), durante o VII Fórum Social Mundial das Migrações, a Equipe de Base Warmis organizou uma roda de conversa realizada pelo coletivo MIAU para debater a Descolonização do Corpo, integrando teoria e prática.

Facilitada pela professora e feminista chilena Ingrid Bahamonde e pela instrutora de yoga e também feminista chilena Daniela Rojo Robles, a atividade abordou a apropriação do corpo diante de uma sociedade patriarcal, na qual as mulheres são as principais vítimas de violência ligada a gêneros.

“É preciso compreender que o corpo é um instrumento político”, com esta frase Ingrid Bahamonde iniciou a roda de conversas. A professora, formada em filosofia, também mostrou aos participantes como as imposições sociais afetam e colonizam os corpos fragilizando o ser humano, por exemplo, determinando o que se pode fazer com o próprio corpo ou não.

Imposição histórica sobre o corpo

A violência contra o corpo não chegou à América com os colonizadores. “Antes dos colonizadores chegarem nestas terras (América), já havia sociedades, como os Astecas, que eram opressoras, possuindo uma pirâmide hierárquica, patriarcado e sacrifícios”, afirma Daniela.

O patriarcado que subjuga o feminino, na verdade, é mais antigo que o conceito de sociedade. O filósofo alemão da escola de Frankfurt, Erich Fromm, afirmava que desde o período rupestre há uma expansão do pensamento patriarcal, principalmente relacionado à religiosidade onde surge um Deus que pune os filhos maus e recompensa os bons, substituindo a divindade da Terra que acolhia a todos em um amor incondicional. Para Daniela: “O corpo da mulher é colonizado em todas as sociedades”.

O Jogo dos Conceitos

No final do encontro, os participantes se dividiram em grupos para realizar um jogo. Cada grupo devia pegar um retrato de um homem ou uma mulher e escrever no retrato: o que a sociedade espera de cada gênero?
Os grupos anotaram nos retratos que a sociedade espera que a mulher seja submissa, magra, saiba realizar serviços domésticos, tenha cabelos longos, não possua pelos, esteja disposta a ser mãe, não pense muito, não possua opinião própria, seja sempre jovem e que compreenda o seu lugar no universo acadêmico e de trabalho.

Já o homem, segundo os participantes, também possui estereótipos pré-estabelecidos. A sociedade espera que o homem seja fisicamente forte, tenha pelos em abundância, seja alto, seja pouco sensível, que não saiba chorar, seja bem-sucedido financeiramente e agressivo.

Diante das respostas levantadas pelos grupos evidenciando como o corpo humano é colonizado na sociedade, Ingrid Bahamonde afirma que: “é necessário reagir”.

Texto: Leandro Sena Lara

Foto: Leandro Sena Lara

Categorias: Ámérica do Sul, Diversidade, Educação, Saúde
Tags: , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.