Equador sedia Fórum Latino-Americano e Caribenho de Comunicação Popular e Comunitária

20.06.2016 - Redação São Paulo

Equador sedia Fórum Latino-Americano e Caribenho de Comunicação Popular e Comunitária
(Crédito da Imagem: ciespal)

O evento reunirá organizações sociais, comunicadores populares e indígenas, acadêmicos e ativistas “para dialogar e construir plataformas, políticas e processos emancipadores, conforme a tradição da região”.

por ALAI

O Equador sedia, nos dias 28, 29 e 30 de junho, o Fórum Latino-Americano e Caribenho de Comunicação Popular e Comunitária – II Fórum Internacional sobre Comunicologia do Sul. O evento reunirá organizações sociais, comunicadores populares e indígenas, acadêmicos e ativistas “para dialogar e construir plataformas, políticas e processos emancipadores, conforme a tradição da região”. Coordenadora do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) e secretária-geral do Barão de Itararé, Renata Mielli participa de debate no dia 28, com o tema “Guerra midiática e os desafios para a democracia na América Latina”.

O Fórum é organizado pelo Centro Internacional de Estudos Superiores de Comunicação para a América Latina (Ciespal) em parceria com a Agência Latino-Americana de Informação (Alai), a Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso-Quito) e o Foro de Comunicación para La Integración de NuestrAmérica (FCINA). O evento ocorre em Quito, com entrada livre.

Segundo os organizadores, a proposta é que o Fórum seja um espaço de diálogo, feira, intercâmbio e participação que ajude a fomentar o pensamento em comum, rompendo os abismos e brechas entre universidades, profissionais de comunicação, meios de comunicação, movimentos sociais e organizações populares e comunitárias. “O objetivo primordial da convocatória é desenvolver um diálogo de saberes em torno da comunicação, de modo que desde a experiência, a criatividade, a pesquisa e a prática, sejamos capazes de gerar novas agendas e processos em conjunto”.

Saiba mais sobre o Fórum aqui.

Rechaço ao golpe no Brasil
Em nota, o Foro de Comunicación para la Integración de NuestrAmérica (FCINA) manifestou-se contrário ao processo ilegal de impeachment que avança no Brasil. “O FCINA rechaça e condena o golpe judicial-midiático-parlamentar que tirou Dilma Rousseff, eleita por 54 milhões de cidadãos, da presidência constitucional do país”, assinala o documento. “Além de tirar o poder do Partido dos Trabalhadores e suspender os programas sociais e outros benefício para os menos favorecidos, o golpe significa uma ameaça a todos os processos de integração em nossa região”.

A nota ainda critica os retrocessos do governo interino ilegítimo, citando a conformação ministerial por homens ricos, brancos e acusados de corrupção, além dos ataques a ministérios como o da Cultura. “O golpe no Brasil, sem dúvidas, impacta a perspectiva de construir uma política externa regional independente, promovendo o multilateralismo das relações globais” e “afetando, assim, o projeto de redistribuição de renda e aumentando a exclusão social, a pobreza e a vulnerabilidade social de milhões de latino-americanos e caribenhos”. A nota também condena os ataques da direita continental a Venezuela. Confira a íntegra aqui.

Com informações da Ciespal e FCINA

16 Junho 2016

Categorias: América Central, Ámérica do Sul, Internacional
Tags: , , , , ,

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.