Guerra, especulação e novos modelos econômicos

17.04.2016 - Silvia Swinden

This post is also available in: Inglês, Italiano, Alemão, Grego

Guerra, especulação e novos modelos econômicos

Em 2011 e 2014, noticiamos na Pressenza o papel que o “petróleo por euro” de Saddam Hussein pode ter tido na Guerra do Iraque, similar ao dinar de ouro do Gaddafi:

“Procurar entender o que está acontecendo na Líbia sem analisar a crise global corre o risco de simplificar demais a situação. Poderíamos dizer ‘A culpa é do petróleo, idiota!’ e, é claro, teríamos razão – mas apenas parcialmente. Gaddafi – que certamente não é um homem bom, mas não é pior que demais autocratas na região – cometeu o mesmo crime de Saddam Hussein. Tentou perturbar a hegemonia do dólar ao propor que transações da indústria petroleira fossem realizadas com o dinar de ouro, uma moeda semelhante ao euro, para toda a África. Era um plano bastante aplicável, principalmente porque Gaddafi estava sentado em uma grande pilha de ouro. Isso faria da África um continente financeiramente independente e menos disponível para explorações.

“De fato, alguns anos atrás Saddam havia movido suas transações de petróleo para o euro, e a OPEC estava considerando adotar esse modelo. Vários analistas acreditam que isso teria levado a uma queda de 40% no valor do dólar. E, então, os Estados Unidos começaram a falar sobre armas de destruição em massa, que, claro, a moeda era – pelo menos para o dólar.”

Novas revelações trazidas pelo cache do e-mail de Hillary Clinton acrescentaram mais detalhes ao que, à época, muitos consideraram ‘teorias da conspiração’.

Segundo o Foreign Policy Journal, e-mails recém-revelados mostram que o plano da Líbia para criar uma moeda baseada em ouro para competir com o euro e o dólar foi um motivo para a intervenção da OTAN:

A ameaça do ouro e do petróleo da Líbia aos interesses franceses

“Embora a Resolução 1973 do Conselho de Segurança da ONU, proposta pela França, tenha afirmado que a zona implementada sobre a Líbia pretendia proteger os civis, um e-mail de abril de 2011 enviado à Hillary com o título ‘O cliente da França e o ouro do Qaddafi’ revela ambições menos nobres.
“O e-mail identifica o presidente francês Nicholas Sarkozy como tendo liderado o ataque na Líbia com cinco objetivos específicos em mente: obter petróleo do país, garantir a influência da França na região, aumentar a reputação nacional do presidente, afirmar o poder militar francês e prevenir a influência de Gaddafi no que é considerada a ‘África francófona’”.

“Ainda mais assombrosa é a longa seção delineando a enorme ameaça que as reservas de ouro e prata de Gaddafi, estimadas em ‘143 toneladas de ouro e uma quantidade similar de prata’, representam para o franco francês (CFA) circulando como a principal moeda africana.”

Conforme os mercados começam a exibir sinais parecidos com os anteriores à queda de 2007/2008 (não poderia ser diferente, visto que o sistema bancário resistiu a todas as tentativas de separar seu lado especulativo da “economia real”) e a crise dos refugiados do Oriente Médio, provocada pela guerra, começa a aturdir o povo, é hora de rever a direção dos modos pessoais, nacionais e internacionais para organizar o sistema.
O surgimento de uma nova sensibilidade

… que coloque o valor dos seres humanos acima do dinheiro, propondo maneiras de garantir acesso à saúde, à educação e a necessidades básicas para todos. Isso inclui nos livrarmos da especulação, favorecendo a participação dos trabalhadores no gerenciamento e nos lucros, nas cooperativas, na renda básica universal e em muitas outras propostas partindo de organizações que visualizam um futuro aberto desde que consigamos tomar um novo rumo. O melhor jeito de lutar contra o terrorismo é criar um mundo livre de injustiça e discriminação. É possível que ainda tenhamos fanáticos, mas estes não terão seguidores.

Este é um momento para a não violência ativa: um motor para mudarmos o sistema sem ressentimento nem vingança, não importa o quão bravos estejamos com a ‘cúpula de Davos’. É primordial percebermos que há medo nas raízes da megaconcentração que testemunhamos hoje, para que possamos oferecer uma reconciliação como estratégia para trazê-los ao projeto em prol de um mundo diferente e mais humanizado. Também devemos resistir à pressão dos veículos de mídia de propriedade de corporações, que nos pintam como idiotas que nos juntamos às novas propostas: Plan B for Europe (DiEM25), Jeremy Corbyn, Podemos, Rethinking Economics, Indignados, Occupy e todos os movimentos antinucleares e antiguerras. Em resposta ao TINA de Margaret Thatcher (acrônimo de “there is no alternative”; em português, “não há alternativa”), devemos dizer WATA (“we are the alternative”, ou “nós somos a alternativa”).

Traduzido por Andresa Medeiros

Categorias: Economia, Entrevista, Não violência, Opinião
Tags: , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.