Ganhou a liberdade de expressão em Moçambique

16.09.2015 - Djamila Andrade

Ganhou a liberdade de expressão em Moçambique

O Tribunal Judicial do Distrito de Kampfumo em Maputo, absolveu hoje o académico Nuno Castel-Branco e o jornalista Fernando Banze, num processo de acusação de crime de injúria contra o antigo Presidente da Republica, Armando Guebuza, e de abuso de liberdade de imprensa.

As acusações proferidas pelo Ministerio Publico, deviam-se a publicação na rede social Facebook, de uma carta escrita por Castel-Branco dirigida ao então presidente, onde critica severamente a sua política de governação, a mistura de interesses publico-privados do seu governo, o acentuar um sentimento de divisão dos moçambicanos por raças e classes sociais, e criticando também a sua personalidade comparando-o com lideres como Hitler, Pinochet e Mussolini.

E então porquê que Castel-Branco não é acusado pelo cidadão Armando Emílio Guebuza, mas sim pelo Estado Moçambicano, representado pela Procuradoria-Geral da República? Porque, nos termos da Lei dos Crimes contra a Segurança do Estado, as ofensas contra a honra de dirigentes superiores de órgãos de soberania e de Presidentes e Secretários-gerais de Partidos Políticos, deixam de ser crimes particulares, ganhando a dignidade de crimes contra a segurança do Estado. Logo o  Ministério Público moveu uma acção por se tratar de um eventual crime público.

Liberdade expressão Moçambique

Liberdade expressão Moçambique

Tendo em conta o contexto da época, Castel-Branco publicou a referida carta em Novembro de 2013, quando a recente crise político-militar estava nos seus piores dias, marcada por sucessivos ataques militares da Renamo região centro do País, e um clima de violencia e insegurança que se vivia na cidade de Maputo. Nesse período, eram frequentes, na imprensa e entre os cidadãos, diferentes declarações, exprimindo sentimento de insegurança e pânico, causados por uma percepção generalizada de falta de acção contundente por parte do Estado

Hoje, no dia da proclamação da sentença, a sala encontrava-se cheia: representantes de diferentes organizações da sociedade civil, activistas políticos, simples cidadãos curiosos, e os próprios mídias estavam todos presentes para testemunhar tal acto.

O juiz, João Almeida Guilherme, disse que Castel-Branco deu simplesmente uma opinião de como Guebuza conduzia o pais, que para outros podia soar desconfortável e até ofensivo, mas que por isso só não era considerado um crime. Notando inclusive que algumas das acusações feitas a Guebuza eram ate verdadeiras.

Quando o juiz proclamou a absolvição houve uma alegria generalizada pela vitoria de todos presentes. Na ruas ouvia-se gritos e manifestações de vitoria pela liberdade de expressão em Moçambique.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Com esta absolvição, Castel-Branco e todos moçambicanos ganharam a luta pelo nosso direito à liberdade de expressão e de critica política. No entanto esperemos que este caso levado ao tribunal não sirva para intimidação jornalística, senão que alente a expressão pública e livre em Moçambique.

Expressar-se publicamente e livremente não é crime em Moçambique.

SAMSUNG CAMERA PICTURES

Liberdade expressão Moçambique

Nota: algumas informações tomadas pelo artigo de Tomas Vieira Mario, O caso Carlos Nuno Castel-Branco ou a crítica política como um risco.
Categorias: Africa, Internacional, Opinião
Tags: , , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.