Um olhar diferente sobre a pré-história

14.10.2014 - Anna Polo

This post is also available in: Espanhol, Francês, Italiano, Alemão

Um olhar diferente sobre a pré-história

Quando pensamos na pré-história, em geral prevalece a imagem de um período misterioso, obscuro e pouco interessante, ao qual desde a escola dedicamos pouca atenção, querendo passar rapidamente ao estudo das civilizações realmente significativas (sumérios, assírios e babilônios, egípcios, gregos e assim por diante). O termo “pré-histórico” também costuma ter uma conotação negativa, ou até mesmo degradante: refere-se a atitudes e crenças brutas, velhas e fora de moda, que deveriam ser deixadas para trás para serem substituídas por conceitos mais avançados e “civilizados”.

 
Mas será isso mesmo?

 
Basta ir um pouco mais a fundo no tema para descobrir um enorme patrimônio de sabedoria e experiência acumulado no passado por civilizações antiquíssimas, muitas vezes apagado, esquecido ou desconhecido.

 
Graças ao trabalho de Marjia Gimbutas – uma estudiosa que revolucionou a arqueologia – e de muitos outros, surge, ao menos no que se refere à Europa Neolítica, uma imagem fascinante: uma civilização dinâmica, rica em trocas e mudanças, pacífica, harmônica e igualitária, baseada na colaboração, na busca pelo equilíbrio, no respeito à natureza e dotada de uma profunda espiritualidade. Uma civilização que valorizava as mulheres, mas que não oprimia ou discriminava os homens. Uma espiritualidade que celebrava o sexo como sagrado, como fonte de vida e fertilidade, e venerava uma deusa que encarnava o nascimento, a vida, a morte e a regeneração, sem contrapor estes conceitos, em um ciclo infinito. Milhares de descobertas surgiram das escavações conduzidas por Gimbutas. Estes achados foram catalogados, estudados e interpretados, confirmando esta imagem.

 
Nas ilhas de Malta e Gozo, e em muitos outros lugares, o fato de não encontrarem-se armas de guerra, fortificações defensivas e sinais de conflito reforça a hipótese de que comunidades pacíficas habitavam ali. Em compensação, nestes lugares sobram templos (na foto, a muralha com sete metros de altura que circunda os templos de Ggantija, em Gozo) cujas dimensões monumentais requeriam a participação de um grande número de pessoas, desde quem escavava, transportava e erguia as grandes pedras que constituíam estes locais sagrados e as muralhas que os circundavam, até os artistas que criavam suas esculturas sublimes, seus vasos decorados e os seus entalhes harmoniosos.

 
Esta mesma dimensão demonstra também o papel central ocupado pelo elemento espiritual em uma civilização dotada de um grande domínio arquitetônico e de uma tecnologia muito avançada no trabalho com a pedra, e capaz de projetar obras a longo prazo, até mesmo atravessando gerações. Da mesma forma como ocorreu milênios mais tarde, quando uma inteira comunidade unida pelo fervor religioso contribuiu para a construção das grandes catedrais góticas europeias.

 
É como se um fio condutor unisse períodos históricos muito distantes, através da busca do contato com o sagrado que se manifesta em construções imensas, mas também em uma espiritualidade profunda e alegre. Espiritualidade esta por vezes reprimida e bloqueada pela violência e intolerância de outras religiões, mas sempre pronta para ressurgir e manifestar-se. Os ritos de fertilidade do Neolítico serão encontrados novamente nas festas de primavera, populares por muitos séculos em todas as partes da Europa, e também no espiral, símbolo universal do incessante fluxo de energia vital, que decora lugares sagrados em todo o mundo.

 
Se considerarmos o processo humano sob este ponto de vista, é possível reconhecer a enorme contribuição dada pela civilização “pré-histórica”, em homenagem e agradecimento aos nossos ancestrais – distantes no tempo, mas próximos através de sua sensibilidade.

 

Tradução: Débora Gastal

Categorias: Humanismo e Espiritualidade, Opinião
Tags:

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.