Iraque: Al-Maliki desiste de governar, conflito armado se intensifica

16.08.2014 - Paulo Genovese

Iraque: Al-Maliki desiste de governar, conflito armado se intensifica
(Crédito da Imagem: "Bush al-Maliki handshake" por White House photo by Kimberlee Hewitt - whitehouse.gov, President Bush and Prime Minister Maliki of Iraq Participate in Press Availability. Licenciado sob Public domain, via Wikimedia Commons - http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bush_al-Maliki_handshake.jpg#mediaviewer/Ficheiro:Bush_al-Maliki_handshake.jpg)

Bagdá, 15 ago (Prensa Latina) O acordo entre os xiitas Nouri Al-Maliki e Haidar Al-Abadi reduziu tensões no espectro político do Iraque, onde a ofensiva islâmica sunita e o crescente envolvimento militar estrangeiro mantêm aberto hoje outro flanco de preocupação.

Al-Maliki anunciou em uma aparição televisiva seu apoio a Al-Abadi, membro de sua própria coalizão Aliança Nacional (AN) e designado premiê pelo presidente Fouad Masum, com o qual encerrou uma semana de atritos entre setores xiitas e ameaças de desestabilização.

“Hoje anuncio para vocês … (que) para facilitar o progresso do processo político e a formação do novo governo retiro minha candidatura a favor do irmão doutor Haidar Al-Abadi”, expressou Al-Maliki diante das câmeras, acompanhado de seu sucessor.

Fontes da AN confirmaram, também, que o chefe de governo que se retirará e líder da coalizão Estado de Direito (Al-Dawa) retirou a denúncia apresentada à Corte Suprema Federal contra o presidente Masum por alegada violação da Constituição.

O já ex-presidente se reuniu ontem à noite com Al-Abadi depois da pressão de círculos políticos internos e inclusive de alguns governos estrangeiros que Bagdá considera amigos, além de um pronunciamento feito pelo Grande Ayatolah Ali Al-Sistani, máxima autoridade do Islã xiita iraquiano.

Este encontro teve como mediadores o vice-presidente xiita Khodair Al-Khuzai e o chefe da AN, Ibrahim al-Jaafari, bem como o líder do partido Al-Dawa, Khalaf Abdul Samad, mas são ignorados detalhes do que Maliki receberá em troca de renunciar ao cargo.

Os oito anos de governo do premiê renunciante, que assumiu em 2006 com o apoio das tropas de ocupação de Estados Unidos, foram encerrados com um país submerso no caos e na violência pela ofensiva do Estado Islâmico (EI), intensificada nos últimos dois meses.

De fato, Al-Sistani justificou o pedido de que Al-Maliki renunciasse com o argumento de que o Iraque precisa de uma figura política conciliadora capaz de fazer convergir em um projeto nacional que inclua todos os grupos étnicos e religiosos.

Os extremistas sunitas do DAESH, acrônimo árabe do EI, criticaram o governo de Bagdá por aplicar políticas sectárias e discriminatórias dessa comunidade muçulmana para favorecer os xiitas, enquanto que os curdos também apontam contradições por causa do controle do petróleo.

Segundo o chefe do bloco Al-Mowatin na província de Karbala, Zuhair Abu Dagga, a formação do novo gabinete pela Al-Abadi é “o verdadeiro começo para solucionar todas as crises sofridas pelo país”.

Enquanto isso, a aviação estadunidense intensificou os bombardeios contra os combatentes do DAESH na Montanha de Sinjar, onde estavam sitiados membros da minoria religiosa Yazidi, ao mesmo tempo em que estendeu as incursões a Erbil, a capital do Curdistão, com o pretexto de proteger seus funcionários militares.

Categorias: Oriente Médio, Política

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.