Por falta de proposta, servidores estaduais da Saúde mantêm greve em São Paulo

26.05.2013 - Pressenza IPA

Por falta de proposta, servidores estaduais da Saúde mantêm greve em São Paulo
(Crédito da Imagem: Foto: RBA Douglas Mansur)

Sindicato afirma que o governo age como se não conhecesse a pauta de reivindicações apresentada no início do ano

São Paulo – Servidores da Saúde do Estado de São Paulo decidiram, em assembleia na manhã de hoje (24), manter a greve iniciada no dia 1º. Em reunião ontem, entre governo e o sindicato da categoria (SindSaúde), não houve avanços. O presidente da entidade, Gervásio Foganholi, afirmou que o governo estadual não apresentou contraproposta sobre pontos salariais, e o movimento deverá ser intensificado. As principais reivindicações são a reposição de perdas salariais de 32,2%, vale-refeição de R$ 26,22 e Prêmio de Incentivo igual para todos os servidores.

Faganholi disse que o governo tem agido como se desconhecesse as demandas dos servidores. “A pauta está apresentada desde o início do ano, não há novidades. Na semana passada entregamos as reivindicações ao governador Geraldo Alckmin, em mãos”, afirmou. Segundo ele, a única proposta apresentada foi um projeto de lei complementar para regulamentar a carga de 30 horas. No entanto, o sindicato não aceitou o projeto, pois avalia que ele impõe condicionantes e exclui profissionais de algumas áreas, o que poderia inviabilizar o cumprimento da regra.

Após a assembleia, os servidores saíram em passeata pelo centro da capital em direção à Secretaria Estadual da Fazenda para protestar contra a inércia do governo estadual nas negociações. No local, funciona o Conselho de Defesa Econômica (Codec), órgão responsável por gerenciar questões financeiras de empresas controladas pela gestão Alckmin. Somente nesta semana, o Codec foi alvo de manifestações de metroviários e funcionários da Sabesp, da Cetesb e da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), por, segundo os sindicatos dos trabalhadores, interferir nas negociações salariais sem participar delas.

Segundo o sindicato, 21 unidades de Saúde na capital e 20 no restante do estado estão paralisadas. Como saúde é setor essencial, não pode haver fechamento total dos estabelecimentos, que permanecem com 30% dos funcionários trabalhando nas áreas de emergência. A próxima assembleia da categoria será em 5 de junho.

A Secretaria da Saúde afirmou desconhecer as negociações.

por Rodrigo Gomes, da RBA

Categorias: Ámérica do Sul, Internacional, Política, Saúde
Tags: , ,

Boletim diário

Indique o seu e-mail para subscrever o nosso serviço diário de notícias.


Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.