Movimentos finalizam emendas para projeto que cria cotas nas universidades públicas de SP

20.05.2013 - Pressenza IPA

Movimentos finalizam emendas para projeto que cria cotas nas universidades públicas de SP
(Crédito da Imagem: Foto: Frente Pró-Cotas/Divulgação)

Alternativa à proposta de Alckmin, projeto que tramita há dez anos na Assembleia Legislativa está sendo atualizado pela Frente Pró-Cotas do estado

São Paulo – O grupo de trabalho (GT) sobre cotas raciais formado por representantes dos movimentos sociais, negro, estudantil e sindical deverá concluir, até a próxima semana, um conjunto de emendas para o Projeto de Lei 530. O PL, que tramita na Assembleia Legislativa desde 2004, estabelece a reserva de 50% das vagas nas universidades estaduais para estudantes de escolas públicas.

O objetivo do GT é atualizá-lo com base em outros projetos que tratam do assunto, entre eles, o PL 321, de 2012, de autoria do deputado Luiz Claudio Marcolino (PT), que cria o sistema de cotas nas universidades públicas e faculdades de tecnologia do Estado de São Paulo. Pelo projeto, essas instituições destinarão 15% de suas vagas para estudantes afrodescendentes e indígenas, 15% para aqueles oriundos da escola pública e 5% para alunos com deficiência. O projeto ainda prevê medidas que facilitem a integração acadêmica desses estudantes em igualdade de condições com os não-cotistas.

“Trata-de da elaboração de um popular, que se contraponha àquele imposto pelo governador Alckmin, que prevê que metade das vagas da USP, da Unicamp e da Unesp seja destinada a estudantes que fizerem curso preparatório à distância por dois anos”, disse um dos coordenadores da ONG Uneafro Douglas Belchior, integrante da Frente Pró-Cotas do Estado de São Paulo e do GT.

Segundo a Frente, um curso preparatório nesses moldes é discriminatório ao considerar que todos os estudantes de escolas públicas não conseguiriam acompanhar as aulas dos cursos universitários.

De acordo com Belchior, somente uma lei poderá reverter a aprovação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), no final de abril, do plano de inclusão lançado pelo governador Geraldo Alckmin, o Programa de Inclusão com Mérito no Ensino Superior Público Paulista (Pimesp). A Unesp é a primeira universidade estadual a decidir a respeito. A Estadual de Campinas (Unicamp) e a USP devem tomar a decisão ainda neste semestre com vistas ao próximo vestibular. “Inaceitável que o Conselho Universitário tenha aprovado as metas de inclusão até 2016 mesmo sem entender exatamente como funciona o programa”, disse.

A Frente estuda também um projeto de iniciativa popular, como o que criou a Lei da Ficha Limpa e articulações com parlamentares em busca de apoio para os projetos de lei e também para a realização de audiências públicas com a participação do governador.

por Cida de Oliveira, da RBA

Categorias: Ámérica do Sul, Educação, Internacional

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Dia da Não Violência

Dia da Não Violência

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.