Invasão do Mali: o Colonialismo do século 21

21.01.2013 - Partido Humanista Internacional

This post is also available in: Espanhol, Francês, Italiano

Invasão do Mali: o Colonialismo do século 21

O Partido Humanista Internacional (PHI) recusa e condena a intervenção militar francesa na República de Mali, com a pretendida desculpa de deter o avanço de grupos acusados de terroristas.

Os governos dos Estados Unidos de Norte América (EE.UU) e França têm armado esses grupos que agora acusam de terrorismo e têm contribuído a abonar um terreno propício a seus interesses dando ajuda, assistência e armas aos setores fundamentalistas que agora acusam. O pretexto atual para depois justificar sua ação é uma suposta “Guerra contra o terrorismo”. Não há desculpa militar, econômica ou política que possa justificar o uso da força nas relações internacionais.

É o controle do urânio, do ouro, do petróleo, do gás,… a verdadeira razão desta guerra; esta intervenção militar acontece após a Líbia, Costa de Marfim, e do golpe em Níger, todas para estabelecer governos corruptos e afinados à OTAN.

Quanto à população tuareg, de vida nômade por escolha própria, é discriminada e ignorada desde séculos, com frequência sem acesso a serviços de saúde e educação. Vítimas destas violências e injustiças, são agora manejadas e  sacrificadas com toda a população de Mali no altar do capitalismo.

Estamos ante o Colonialismo do século 21, baseado como sempre na força militar. O capital financeiro internacional, a indústria, o comércio de armas e alguns grupos empresariais que constituem o poder de fato contam com um instrumento organizativo para o saque: a OTAN. Comandados por EE.UU os países europeus alinhados à OTAN estão empenhados em superar  suas próprias crises econômicas invadindo países  sem se importar em causar danos à população civil. Em outras palavras, tenta-se reverter a crise do sistema capitalista com um colonialismo selvagem.

Mali não precisa de bombas, corrupção e submissão. Independente de sua origem étnica e sua cultura, a população de Mali precisa é de democracia, dignidade, respeito e prosperidade. É direito do povo malinês decidir o seu futuro.

Como humanistas repudiamos qualquer intervenção estrangeira em território da República de Mali, repudiamos por sua atitude neocolonialista aos governos dos EUA, Grã-Bretanha e ao governo francês, representante de uma falsa alternativa ao neoliberalismo chamada “socialismo europeu”.

Como humanistas defendemos o direito dos povos à autodeterminação, colocando em primeiro lugar e como valor central o Ser Humano, os Direitos Humanos e o respeito à vida.

 

Partido Humanista Internacional – Federação Internacional de Partidos Humanistas.

Categorias: Assuntos internacionais, Direitos Humanos, Internacional, Não violência, Nota de imprensa, Opinião
Tags:

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

O Princípio do fim das armas nucleares

2a Marcha Mundial da Paz e da Não-violência

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Milagro Sala

Canale youtube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.