Regressa a Egito chefe de Estado Maior do Exército

29.01.2011 - El Cairo - Prensa Latina

Em um inesperado discurso à nação a meia-noite, o mandatário anunciou para hoje a formação de um novo gabinete, mas dezenas de milhares de pessoas mantiveram-se firmes na exigência de que Mubarak se demita.

A persistência dos protestos e a mão de ferro da Polícia têm deixado entre 20 e 50 mortos nesta capital, Alexandria, Ismailia e Suez.

Também teve um número indeterminado de feridos e pessoas com sintomas de asfixia pelos efeitos dos gases lacrimogênicos empregados pela Polícia, segundo fontes independentes.

As conexões a Internet seguem bloqueadas desde ontem e os meios oficiais abstêm-se de proveer informação sobre o curso dos acontecimentos.

Um toque de recolher de 13 horas, entre as 18:00 e as 07:00 hora local, imposto a véspera, e a saída à rua do Exército para pô-lo em vigor, foram insuficientes para deter aos manifestantes que durante a noite invadiram zonas centrais desta capital de quase 25 milhões de habitantes e continuam exigindo a renúncia de Mubarak.

No curso dos protestos resultaram danificados ou destruídos estabelecimentos comerciais e a sede do partido de Mubarak nesta capital.

A alta do preço da vida, a corrupção administrativa generalizada e a falta de oportunidades são outros dos elementos combustíveis que mantêm viva a ira popular.

Os protestos sociais impactaram de maneira profunda na Bolsa de Valores egípcia, a qual registrou perdas notáveis, mas o tráfico pelo Canal de Suez segue sendo normal.

No entanto Mubarak, que sucedeu na presidência ao assassinado presidente Anuar o Sadat em 1981, não dá sinais de ceder à pressão popular e tudo indica que se apoiará no Exército para se manter no poder.

Fontes diplomáticas aqui descartaram por enquanto que a crise obrigue ao Rais (presidente) a abandonar o país em uma re-edição dos acontecimentos de meados deste mês na Tunísia, cujo mandatário, Zine O Abidine Ben Alí, se viu forçado a se refugiar na Arabia Saudita.

A análise parece basear-se nos respectivos papéis de Ben Alí e Mubarak: o primeiro estava dentro da esfera de influência da França; o segundo é uma peça importante no status quo criado pelos Estados Unidos no Oriente Próximo.

Por sua população, recursos e posição geográfica, incluído o Canal de Suez, pelo qual transita para ocidente a cada dia mais de um milhão de barris de petróleo, e influência política, Egito é uma peça chave para Washington.

Categorias: Internacional, Oriente Médio, Política

Boletim diário

Digite seu endereço de e-mail para assinar o nosso serviço de notícias diárias.

Pesquisa

Informe Pressenza

Informe Pressenza

Caderno de cultura

Caderno de cultura

O Princípio do fim das armas nucleares

Documentário 'RBUI, o nosso direito de viver'

Canale YouTube

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

xpornplease pornjk porncuze porn800 porn600 tube300 tube100 watchfreepornsex

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.