Assuntos internacionais

Uma proposta concreta de paz para o mundo

A agência Pressenza resgata um artigo do ativista e religioso brasileiro Frei Beto no qual faz uma proposta surpreendente de devolução de todos os territórios ocupados. Para o ex-assessor e amigo pessoal de Lula e Fidel Castro, os EUA não deveriam apenas retirar as tropas do Iraque, mas também devolver o Texas, a Califórnia e o Arizona ao México, e Porto Rico aos porto-riquenhos, além de restrituir aos cubanos a base naval de Guantánamo.

Presidente da Assembléia Geral da ONU recebe o coordenador internacional da Marcha Mundial

Em reunião com Rafael de la Rubia, Miguel d’Escoto Brockmann, o presidente da Assembléia Geral na Organização das Nações Unidas afirma que há uma coincidência total com os objetivos da Marcha Mundial pela Paz e pela Não Violência.

‘Acabamos de legalizar centenas de milhares de imigrantes’

Presidente Lula reforça o exemplo brasileiro de tratamento aos imigrantes em discurso no Conselho de Direitos Humanos da ONU. Ele critica a visão de culpar os imigrantes e pobres pela crise mundial. “Os responsáveis pela crise são os mesmos que por muito tempo sabiam como ensinar a administrar os Estados”, disse.

“Estávamos diante dos soldados que jogavam bombas de gás”

A vice-presidente do Parlamento Europeu, Luisa Morgantini, defende a resistência não violenta do povo palestino e de pacifistas israelenses para superar os conflitos na região.*

Centenas de milhares de pessoas fogem de conflito no Paquistão

A Organização das Nações Unidas calcula que pelo menos 360 mil pessoas tenham fugido dos intensos enfrentamentos no noroeste do Paquistão, o que provocou a maior crise de deslocamento da história do país. O Alto Comissariado da ONU para Refugiados prevê que logo haverá um milhão de pessoas deslocadas em nível nacional no Paquistão.

Marcha Mundial pela Paz é apresentada nas Nações Unidas e recebe apoio de delegados

Conselho chileno leva campanha internacional pela paz e pela não violência para a ONU. Apresentação dos porta-vozes da marcha conquista adesão de delegados e Ongs de diversos países.

Austrália encerrará missão no Iraque em julho

Páis anunciou sua retirada formal do Iraque para o 31 de julho, em uma decisão que tenta acalmar os ânimos diante do anúncio de um maior comprometimento militar no Afeganistão. Como parte da retirada de grande parte de suas tropas do país árabe, Canberra chamará de volta um grupo de soldados que permanece em quartéis distantes das frentes de combate.

Presidenta chilena recebe coordenadores internacionais da Marcha Mundial pela Paz

Michelle Bachelet recebeu no palácio La Moneda o presidente do Mundo sem Guerras, onde reafirmou sua intenção de receber o grupo de participantes que fará o trajeto mundial e chegará em Santiago em dezembro.

Embaixador do Líbano na Argentina defende fim das armas nucleares

Hincham Hamdam (à esq. na foto) assume compromisso de levar propostas da Marcha Mundial pela Paz e pela Não Violência, como a eliminação dos armamentos atômicos e os tratados de não agressão, para os países árabes

Desarmamento nuclear: o primeiro passo para um mundo em paz

Começam a surgir sinais de diversos setores sobre a urgência do desarmamento nuclear, principal objetivo da Marcha Mundial pela Paz e pela Não-violência.

1 55 56 57 58