Genocídio indígena brasileiro?

31.10.2012 - Pressenza IPA
Genocídio indígena brasileiro?

Por Wagner Pereira de Oliveira especial para Pressenza

No ano de 1500 os portugueses chegaram ao Brasil, uma terra povoada de norte a sul por populações indígenas de diversas etnias. A colonização iniciou o genocídio dos índios e a expulsão deles das suas terras naturais, para dar início à economia de exploração.

Hoje, em pleno ano de 2012, as populações indígenas continuam a ser expulsas de suas terras e covardemente massacradas. Atualmente, a população indígena só representa 0,4% da população total brasileira, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ou seja, desde o início da colonização do Brasil os índios sofreram uma redução de 99,6% da população geral do país. Em 1500, o número de índios nas terras brasileiras podia chegar há 10 milhões, segundo a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), e hoje só restam 896,9 mil índios, segundo o IBGE.

Será que um Genocídio Indígena Brasileiro está ocorrendo no estado brasileiro do Mato Grosso do Sul, mais precisamente na região de Dourados? O fato é que uma tribo indígena da etnia Guarani-Kaiowá vem sendo massacrada e expulsa de sua terra natural. Os índios são vítimas de vários tipos de barbaridades, para que as suas terras sejam ocupadas por grandes fazendeiros. Infelizmente, no Brasil, a produção de soja e de cana-de-açúcar está valendo mais do que a vida dos índios, que são seres humanos.

Denúncias da própria comunidade indígena revelam que os Guarani-Kaiowá são mortos por pistoleiros contratados pelos fazendeiros: índias são estupradas e crianças e líderes indígenas são brutalmente assassinados. Os fazendeiros utilizam aviões tanto para lançar agrotóxicos sobre as plantações como também sobre as terras indígenas. Até mesmo a água potável da aldeia indígena é contaminada pelos fazendeiros, causando diversas doenças em adultos e crianças indígenas.

Neste exato momento, a média de índios Guarani-Kaiowá vítimas de homicídios e suicídio no Brasil é superior à taxa de países em guerras, como a Guerra do Iraque. E a própria Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal reconhece que a situação dos Guarani-Kaiowá chega ao nível de genocídio se nada for feito em defesa desses índios.

A questão dos índios da etnia Guarani-kaiowá ganhou destaque na mídia nacional e internacional após lideranças indígenas escreverem uma carta pública de apelo, já que a Justiça Federal do Brasil decretou o despejo dos indígenas de suas terras naturais para beneficiar o agronegócio. Esses índios se encontram desamparados e na mira de pistoleiros a mando dos grandes fazendeiros. Assim este artigo tem o interesse de informar a comunidade internacional sobre a situação dos índios Guarani-Kaiowá no Brasil. Lembrando que o governo brasileiro pleiteia uma cadeira permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas e ao mesmo tempo permite que situações piores do que as de guerras ocorram em seu território e com seu povo.

Trecho da Carta dos índios Guarani-Kaiowá:

Nós já vamos e queremos ser mortos e enterrados junto aos nossos antepassados aqui mesmo onde estamos hoje. Por isso, pedimos ao governo e à Justiça Federal para não decretar a ordem de despejo/expulsão, mas solicitamos para decretar a nossa morte coletiva e para enterrar nós todos aqui”.

 

Categorias: Internacional

Sobre o Autor

Pressenza IPA


News from Pressenza IPA correspondents

Número de Artigos : 3175
Facebook   Twitter

Boletim diário


Apresentação de vídeo: O que é a Pressenza

Milagro Sala

Canale youtube

IPB Congresso Mundial

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

International Campaign to Abolish Nuclear Weapons

Arquivo

Except where otherwise note, content on this site is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International license.